Modelo de limpeza pública em SP é equivocado, diz Kassab

Prefeito afirma estudar novo modelo para varrição, em que empresa responsável também limparia bueiros

Fabiana Marchezi e Maíra Teixeira, Central de Notícias

01 Fevereiro 2010 | 14h22

Além da mudança do horário das feiras livres, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), disse em entrevista à Rádio CBN, nesta segunda-feira, 1º, que a Prefeitura está analisando uma mudança na sistemática de varrição na cidade para melhorar a limpeza pública. De acordo com o prefeito, o atual modelo, que tem uma empresa para limpar o bueiro, outra para varrer a rua e uma terceira para coletar o lixo domiciliar e que ainda faz a coleta das feiras livres, é "equivocado" e por isso a Prefeitura estuda sua transformação.

 

Veja também:

linkJaneiro registra o 2º maior volume de chuva desde 1947

linkJardim Romano pode entrar em calamidade pública

linkSobe para 34 as cidades em situação de emergência em SP

 

Segundo a Prefeitura, existe um novo modelo que deve ser implementado ainda neste ano. Nele uma empresa responsável pela varrição também faria a limpeza de bueiros. A licitação para o novo modelo deve ser anunciada em alguns dias.

 

O prefeito ainda afirmou que para a coleta do lixo há uma licitação que foi feita para 40 anos e é algo muito difícil de mudar. Com o novo modelo, porém, a expectativa da Prefeitura é de que os custos sejam reduzidos.

 

De acordo com Kassab, no ano passado foram gastos R$ 3,6 bilhões em saúde e R$ 1,2 bilhão com limpeza urbana. "É difícil aceitar que você gaste com limpeza urbana um terço do que é gasto em saúde, porque os serviços são muito mais simples. Algo está errado e com esse modelo eu acredito que poderemos baratear os custos."

 

Hoje, a cidade está dividida em cinco áreas, cada uma de responsabilidade de uma empresa. No novo modelo, serão apenas duas áreas, segundo a Prefeitura. O novo modelo prevê que as empresas responsáveis pelas duas áreas farão os serviços de varrição, de limpeza de bocas de lobo e coleta de entulho em pontos da cidade.

  

Será incluída a varrição de calçadas em corredores comerciais e regiões de grande movimento de pedestres. Além disso, as empresas serão responsáveis pelo fornecimento, instalação, manutenção e higienização de lixeiras.

 

A Prefeitura informa que, atualmente, mais de 11.700 pessoas trabalham diariamente nos serviços de coleta de lixo, varrição, lavagem de feiras, monumentos e calçadões, transporte e destinação final dos resíduos. A capital gera em média 16.684 mil toneladas de lixo por dia e 6,9 mil quilômetros de vias públicas são varridos diariamente.

 

Texto atualizado às 19h15.

Mais conteúdo sobre:
SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.