Mizael rebate leitores de blog do 'Estado'

Acusado de matar a ex-namorada Mércia Nakashima, diz que muita gente tem interesse em vê-lo preso

, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2010 | 00h00

O ex-policial militar e advogado Mizael Bispo de Souza, acusado de matar a advogada Mércia Nakashima, comentou ontem notícia postada em blog do estadão.com.br sobre possível mudança do local de julgamento de Guarulhos para Nazaré Paulista. Além de pedir compreensão, defendeu-se de acusações de leitores e se disse inocente.

Em um dos trechos, afirmou (grafia original): "Se eu ficasse preso quem iria reparar o dano quando eu fosse declarado inocente????? O Estado né???????? Mas em quanto tempo eu receberia esse dinherio??????Depois de morto?????? Pra mim não interessa. Sei que tem muita gente que queria e quer me ver preso, sem saber se fui eu ou não o assassino da minha ex namorada, mas o certo é que sou inocente e vou provar isso pra todos, embora nao tenho que provar nada e sim a Policia quem tem que provar que sou eu o assassino, e isso até agora nao fez, embora tentou de todas as maneiras manobras maliciosas no sentido de me incriminar até mesmo perante a sociedade, mas confio muito em Deus e esse é o meu juiz e sabera julgar com sabedoria e ja demonstrou isso, quando usa do ser humano para fazer a justiça, pois se assim nao fosse, eu ja estaria preso e condenado, pois a furia do inimigo é grande."

Respondendo a críticas de leitores, disse: "Eu nao lhe peço nada, só peço a vc que antes de me criticar, falar palavroes, me xingar e tudo mais, premeiro peça que justiça seja feita neste caso, pois se assim o for, eu estarei de pleno acordo contigo, pois sou inocente (sic)."

Assassinato. Mércia Nakashima foi encontrada morta no dia 11 de junho em uma represa em Nazaré Paulista, no interior. Ela foi morta após deixar a casa da avó, em Guarulhos, na Grande São Paulo, no dia 23 de maio. Para a polícia, o fim de seu relacionamento com Mizael foi o motivo do crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.