Mizael não explica 16 ligações feitas para vigia no dia da morte de Mércia

'O interrogatório mostrou mais uma vez que ele está mentindo', afirmou o delegado Antônio de Olim

Elvis Pereira, do Jornal da Tarde, e Gabriel Vituri, do estadão.com.br

20 de julho de 2010 | 15h23

SÃO PAULO - Em depoimento prestado na manhã desta terça-feira, 20, o policial aposentado Mizael Bispo dos Santos, principal suspeito do assassinato da advogada Mércia Nakashima, disse mais uma vez que não tem relação com o crime e que sua relação com Evandro Bezerra da Silva era apenas profissional.

 

Veja também:

link Mizael diz que Evandro mentiu sobre morte de Mércia

link Delegado quer me incriminar, diz ex-namorado de Mércia

 

A polícia, porém, revelou que Mizael ligou 16 vezes para a ex-namorada em 23 de maio, dia do desaparecimento dela. Para isso, ele utilizou um telefone celular cadastrado em nome de outra pessoa. Até então, o acusado não havia contado à polícia que usava este aparelho. No depoimento prestado hoje, Mizael confirmou que o celular era de fato dele, mas não comentou as ligações. "O interrogatório mostrou mais uma vez que ele está mentindo", afirmou o delegado Antônio de Olim, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

Segundo o advogado Samir Haddad Junior, o interrogatório teve momentos de tensão. Mizael manteve a versão de que é inocente e que na noite da morte da advogada estava em um carro com uma mulher em frente ao Hospital Geral de Guarulhos, na Grande São Paulo.

 

Para a polícia, a existência do outro celular seria mais uma prova de que Mizael esteve com Evandro e que ambos são os responsáveis pelo crime. Mizael deve ser indiciado formalmente por homicídio doloso triplamente qualificado e possivelmente por ocultação de cadáver. O promotor Rodrigo Merli Antunes, do Ministério Público, afirmou que Mizael se surpreendeu com as provas obtidas pela polícia e apresentadas a ele hoje. "Ele não esperava isso e ficou totalmente desconcertado". O promotor pretende reiterar o pedido de prisão preventiva do PM.

 

"Tenho certeza que eles são culpados. O vigia detalhou ontem que os dois passaram por uma viatura da Polícia Militar, em uma estrada de Bonsucesso, que leva à casa de Mizael. Já conferi e a viatura estava mesmo no local descrito, por volta das 22 horas, registrando um acidente entre um carro e uma moto", disse o delegado Antônio Olim nesta manhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.