Mizael afirma que não matou a ex-namorada

O PM aposentado Mizael Bispo de Souza disse ontem, em interrogatório no Fórum de Guarulhos, na Grande São Paulo, que não matou a ex-namorada, a advogada Mércia Nakashima, assassinada em 23 de maio. Ele afirmou que na segunda-feira começará uma investigação própria.

Marcela Spinosa, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2010 | 00h00

Mizael falou durante duas horas. O outro réu, o vigia Evandro Bezerra da Silva, ficou isolado. "A pessoa que cometeu esse crime vai pagar na mesma moeda", disse o ex-PM. "Ainda vou vê-la atrás das grades."

Para o promotor Rodrigo Merli, não há dúvidas de que os réus vão a júri popular, por causa de contradições no depoimento. Questionado sobre quanto tempo teria ficado com uma prostituta no dia do crime - seu álibi - Mizael disse que foi uma hora e meia. Mas, em depoimento à polícia, afirmou ter ficado três horas.

Mizael havia dito que, no mesmo dia, tentou ligar três vezes para Evandro, mas que não conseguiu contato. Mas o registro do celular do vigia mostra 18 ligações recebidas.

Antes de definir se os réus vão ou não a júri popular, o juiz Leandro Bittencourt aguarda o julgamento do pedido da defesa para transferir o caso para Nazaré Paulista.

A mãe de Mércia, Janete, assistiu ao interrogatório. "Apesar da dor porque sei que minha filha não volta, sei que serão condenados porque tudo é contraditório."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.