Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Ministro Raul Jungmann diz que Rio vive "falência múltipla dos órgãos"

Meu maior temor é que se espalhe o crime organizado que captura pedaços do poder público, diz ministro

Anderson Bandeira, Especial para O Estado

05 Setembro 2017 | 10h03

RECIFE - Em meio a guerra declarada as organizações criminosas que agem no Rio de Janeiro, o ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), avaliou, nesta segunda-feira, 4, que a cidade maravilhosa vive "a falência múltipla dos órgãos" em decorrência dos escândalos políticos.

"Você tem um ex-governador preso, tem problemas no tribunal regional com atual governador e vice. Você tinha uma liderança que era Eduardo Cunha e também está preso e tem uma falência fiscal com o atraso de salários", avaliou o ministro após participar de evento de instalação do 3º Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta), na capital pernambucana.

No Recife, Jungmann também revelou que a maior preocupação hoje do Ministério da Defesa é que o crime organizado se pulverize e atinja o poder público. 

"No Rio de Janeiro, meu maior temor é que se espalhe o crime organizado que captura pedaços do poder público. É aí onde você tem o que chamo de coração das trevas", disse.

Na sua avaliação, a preocupação é que um "representante ou aliado do crime" suba ao poder financiado pelas organizações. A leitura é que a influência deles pode resultar no controle de determinado batalhão ou delegacia. "É isso que chamo de estado paralelo". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.