Ministro da Justiça diz que é preciso discutir punição de menores

Cardozo fez a declaração ao saber do projeto de Alckmin para aumentar tempo de internação de infratores

11 de abril de 2013 | 18h10

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que é preciso "repensar e discutir" o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), que determina um tempo máximo de três anos de internação para infratores que cometem crimes. A afirmação foi feita depois de ele ser questionado sobre a intenção do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) de enviar ao Congresso um projeto de lei e um estudo defendendo o aumento desse prazo em caso de crimes graves ou quando o adolescente for reincidente. Em outras oportunidades, o governador defendeu que o prazo de internação fosse ampliado para até dez anos.

 

Alckmin fez a afirmação nesta quinta-feira, dia 11, dois dias depois de o estudante universitário Victor Hugo Deppman, de 19 anos ter sido assassinado por um adolescente  de 17 anos quando chegava à noite em sua casa no Belém, na zona leste de São Paulo. O ladrão tomou o celular da vítima e a baleou mesmo sem Victor reagir. O assassinato foi filmado por câmeras de segurança do prédio. Na quarta-feira, a polícia identificou o acusado e tentou prendê-lo em casa. Ele conseguiu escapar e foi coma mãe se entregar à Justiça. Quando atirou na cabeça do universitário, o acusado estava a dois dias de completar 18 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.