Ministério Público investiga incêndio no Memorial da América Latina

Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo pediu na terça-feira relatórios da Prefeitura, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e outras entidades após suspeita de problema elétrico e falta de alvará

04 Dezembro 2013 | 17h28

A promotora de Justiça Camila Mansour Magalhães pediu esclarecimentos à Prefeitura, a AES Eletropaulo e Defesa Civil, entre outras entidades, após o incêndio do dia 29 no Auditório Simón Bolívar, no Memorial da América Latina, na Barra Funda, região central da cidade.

O inquérito civil foi instaurado na terça, 3, pela Promotoria de Justiça da Habitação e Urbanismo por causa da informação apresentada pela Prefeitura de que o local não tinha alvará para grande concentração de pessoas desde 2003.  Outro fato a ser investigado é se houve uma falha no sistema elétrico.  Testemunhas dizem que pouco antes do acidente houve uma queda de energia e o gerador foi acionado. Quando a rede voltou, teria ocorrido um estrondo no momento em que as chamas começaram.  O incêndio durou cerca de 15 horas até ser apagado pelo Corpo de Bombeiros. 

O pedido do Ministério Público Estadual (MPE) solicita da Prefeitura  informações sobre a licença de funcionamento no prazo de 20 dias. Os órgãos de tombamento estaduais e municipais foram questionado se haverá necessidade de demolição do auditório.  O MPE também quer uma cópia do laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas sobre a segurança do prédio, em um mês.  A promotoras também irá acompanhar o inquérito policial no 23º Distrito Policial (Perdizes). A AES Eletropauto foi comunicada para esclarecer a queda de energia no memorial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.