Ministério alega que falta integração

O Ministério da Saúde diz ter ciência da grande participação das pequenas cidades do País nas estatísticas de acidentes de trânsito - em especial as motos. "O que a gente levanta como possível explicação é que as cidades pequenas não estão integradas ao Sistema Nacional de Trânsito, há pouca sinalização nas ruas e também falta transporte coletivo público", diz o diretor do Departamento de Análise de Situação de Saúde do Ministério da Saúde, Otaliba Libânio.

O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2011 | 03h05

"Do ponto de vista do Ministério da Saúde, temos a Política Nacional de Redução das Mortes em Acidente de Trânsito. O ministério apoia financeiramente capitais e municípios para que eles desenvolvam programas de educação no trânsito", afirma.

Além disso, diz ele, os Ministérios da Saúde, da Justiça e das Cidades têm um programa-piloto, Vida no Trânsito, desenvolvido em cinco cidades, cuja ênfase foca ações nos fatores de risco: velocidade, consumo de álcool e falta de infraestrutura rodoviária.

Fabricantes. A epidemia também desperta a atenção das montadoras. A Honda, por exemplo, mantém cursos de direção em 88 concessionárias. "O motociclista não está preparado. A autoescola prepara para o exame, não para conduzir a moto", diz o coordenador de segurança viária da fabricante, Wilson Yasuda. Mas ele lembra que a relação de morte por número de motos não cresce. O que cresce é o volume de motos em circulação - que acabam matando mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.