Miniporções viram prato principal em restaurantes de SP

Casas descoladas incluem no cardápio pratos menores que os tradicionais; conta pode sair cara, mas clientes aprovam diversidade

Valéria França, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2010 | 00h00

Pequenas porções viram prato principal no cardápio de restaurantes descolados da capital paulista. Não se trata de petiscos, mas de receitas tradicionais de diferentes regiões do País e do mundo, agora servidas em quantidades muito reduzidas. A ideia faz sucesso entre os clientes e cada vez mais casas integram a opção ao menu.

O italiano BottaGallo, no Itaim-Bibi, por exemplo, tem nhoque com ricota e cubos de tomate, enquanto o Chakras, nos Jardins, tapas - tudo em porções muito pequenas, que não matam a fome. O cliente pede mais uma porção e, se precisar, outra e outra... e assim vai degustando mais opções do cardápio.

"Eu prefiro porções a um prato só", diz a atriz Josiane Wolski, que costuma ir ao Buddha Bar, na Vila Olímpia, uma das casas adeptas das pequenas porções. No cardápio, quando o tempo esfria, os minicremes costumam fazer sucesso. "Mas adoro os rolinhos primavera que estão sempre no menu."

A conta. Dependendo do tamanho da fome, a conta pode sair cara. O restaurante chinês Ping Pong, no Itaim-Bibi, é um dos poucos a funcionar só com pequenas porções. A atração da casa é o dim sum, espécie de bolinho de massa fina, com diferentes modos de preparo - frito, cozido ou assado - e recheios variados, muitas vezes exóticos. Escalope com shitake e camarão com vieira são opções para o dumpling, nome do bolinho no vapor, por exemplo.

Servidas em duplas ou trios, as porções têm um preço médio de R$ 13. "Calculo uma média de cinco porções por cliente por refeição", diz o chef Richard Ricelle. E isso significa um gasto médio individual de R$ 65. "Mas tem uma mulher que vem no almoço e pede 10 porções", conta o garçom Rodrigo Moura. "A quantidade depende mesmo do tempo de permanência na mesa." No fim de semana, a casa instituiu o lazy sumdays (assim mesmo, com "m"). O cliente paga o preço único de R$ 65 e come à vontade.

"Sempre fui adepto de servir de acordo com o tamanho do apetite do cliente", diz o chef Rodrigo Oliveira, do Mocotó, restaurante e cachaçaria na Vila Medeiros, zona norte, que tem porções pequenas, médias e grandes. "Se a escolha for a miniporção, indico torresmos perfumados com limão cravo, seguido de carne-seca com jerimum assado e mocofava (um dos ícones do restaurante, cozido de fava com linguiça, carne-seca e bacon). Para arrematar, um minicaldo de mocotó."

Serviço

PING PONG: RUA LOPES NETO, 15, (11) 3078-5808 BOTTAGALLO: R. JESUÍNO ARRUDA, 520, (11) 3078-2858. CHAKRAS: R. MELO ALVES, 294, (11) 3062-8813. BUDDHA BAR: AV. JUSCELINO KUBITSCHEK, 2.041, 3044-6181. MOCOTÓ: AV. Nª SRA. DO LORETO, 1.100, (11) 2951-3056.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.