Militantes do MPL serão ouvidos sobre depredações

A polícia também identificou dois suspeitos de participarem de atos de vandalismo em protestos

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2014 | 16h52

A Polícia Civil chamou 22 ativistas do Movimento Passe Livre (MPL) para serem ouvidos nesta segunda-feira, 23, no Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) para o inquérito sobre atuação de vândalos em manifestações. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), eles foram apenas "convidados" a comparecer espontaneamente na delegacia. Até a tarde desta segunda, ninguém havia sido ouvido. 

Após os ataques de black blocs em uma festa do MPL para comemorar um ano da revogação do aumento das tarifas de ônibus, na quinta-feira, 19, a polícia  também identificou dois suspeitos de participarem de atos de vandalismo em protestos. 

Um dos suspeitos teria depredado a estação de metrô Carrão, na zona leste, no dia 12, na abertura da Copa do Mundo. O outro seria um dos responsáveis pela depredação a uma concessionária de carros de luxo na quinta, na Marginal do Pinheiros. 

Todos os envolvidos que tiveram a sua participação nos ataques ao patrimônio publico e privado poderão ser indiciados pela policia. Segundo a SSP, eles poderão responder por dano ao patrimônio e constituição de milícia privada, cuja a pena vai de 4 a 8 anos, sem fiança. 

Tudo o que sabemos sobre:
MPLProtestosSão PauloBlack Blocks

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.