Milhares vão ao Morumbi para ver Madonna

Primeiros da fila acampavam havia 45 dias e viram popstar passar o som; fãs se aglomeraram no entorno do estádio ao longo do dia

ROBERTO NASCIMENTO , O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2012 | 02h11

"Eu sou gostosa?", perguntou Madonna, no fim da tarde de ontem, durante a passagem de som de seu primeiro show da turnê MDNA em São Paulo. "Sim!", respondeu o aglomerado de fãs que haviam acabado de entrar no estádio. "Eu sou gostosa sempre", afirmou a diva pop de 54 anos.

Foi o início de uma espécie de pocket show que recompensou quem esperou horas no calor para vê-la. Testando o som, a cantora passou por clássicos de seu repertório, como Vogue, Celebration, Express Yourself, e por canções mais novas, como Girl Gone Wild, Hung Up e Revolver.

Sob um sol de 30°C, as filas se esticaram em torno do Estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo, durante o dia todo. Os primeiros fãs já estavam acampados havia cerca de 45 dias. Outros, menos obcecados, só chegaram no fim da madrugada, por volta das 5 horas.

Na fila, o figurino sóbrio - calça ou bermuda jeans, óculos e camiseta da diva - indicava a faixa etária da plateia. "É um público mais velho", explicou o vendedor de artigos Carlos Alberto Vianna.

Até as 17 horas, Vianna havia vendido apenas 20 bandeiras de arco-íris - no show do dia 11 de Lady Gaga, no mesmo Estádio do Morumbi, negociou 160. "As pessoas são mais comedidas, não precisam mostrar a sexualidade como os fãs da Lady Gaga." E, de fato, o frufru carnavalesco que se vê em uma fila de "little monsters" (como se chamam os admiradores de Gaga) passa longe do que se viu no Morumbi ontem.

Briga. Por volta das 17h, uma confusão surgiu na frente do portão 17. Trabalhadores chamados pela empresa de segurança Cifon reclamavam que não teria sido pago o valor inicialmente prometido. Uma troca de socos se deu entre um dos funcionários e um dos trabalhadores que reivindicavam o pagamento. "Estamos aqui desde as 10h. Prometeram que pagariam R$ 60 e agora querem pagar R$ 10 e nos mandar embora", contou Beatriz, uma das seguranças que atuam como freelancer. Já os funcionários da Cifon explicaram que a troca de tapas ocorreu porque os trabalhadores não eram contratados da empresa.

Em cima da hora. Na frente dos portões, o preço dos ingressos de cambistas ia de R$ 250 - para arquibancada - a R$ 500 - para pista premium -, mas os cambistas confiavam que, embora a venda dos ingressos tenha sido inferior ao esperado, o preço ainda subiria.

Em seu show no Rio, na noite de domingo, a cantora ganhou a plateia carioca ao dedicar a apresentação "a todas as periguetes do mundo". Mas cometeu algumas gafes, como falar em espanhol o que queria dizer em português. Já em São Paulo, esse erro já parecia ter sido consertado quando a cantora falou um palavrão típico de paulistanos depois da dica de um assistente de palco.

O show de ontem teria um DJ do líder do Black Eyed Peas, will.i.am, mas o superstar cancelou o compromisso. O set de abertura ficou por conta do DJ paulistano Gui Borato.

No Rio, a plateia do show de Madonna teve 67 mil pessoas, número próximo ao que era esperado em sua primeira apresentação em São Paulo. Às 20 horas, a movimentação era tranquila na frente do Estádio do Morumbi. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) alterou o fluxo de veículos na Avenida Jorge João Saad, mas o tumulto era pequeno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.