NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Milhares tomam a Paulista contra reformas trabalhistas e da Previdência

Expectativa dos organizadores é de que o ato reúna 150 mil pessoas até o início da noite; manifestantes gritam 'Fora, Temer'

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

15 Março 2017 | 17h55

SÃO PAULO - Milhares de manifestantes tomaram as duas pistas da Avenida Paulista na tarde desta quarta-feira, 15. Eles participam de uma manifestação convocada pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Embora a pauta do protesto seja o repúdio às reformas trabalhista e da Previdência, o grito predominante entre os manifestantes é "Fora, Temer". A expectativa dos organizadores é de que o ato reúna 150 mil pessoas até o início da noite. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é esperado por volta das 19 horas. 

Diversos setores da esquerda, entre eles sindicalistas, já defendem publicamente a candidatura de Lula à Presidência em 2018. Apesar disso, os responsáveis pela manifestação negam que o ato seja um palanque para a pré-campanha do petista. 

"Este não é um ato político partidário ou eleitoral mas é lógico que o movimento sindical sempre foi político", disse o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas. "É claro que não tem como dissociar o foco da manifestação do governo Temer, que encaminhou estes projetos de reformas ao Congresso com o objetivo de acabar com a Previdência no Brasil". Completou.

As frentes são formadas por dezenas de movimentos sociais e sindicais como MST, Central de Movimentos Populares, MTST, CUT, Conlutas e partidos políticos como PT, PC do B, PSTU e PSOL.

Segundo Guilherme Boulos, coordenados do MTST, não existe contradição entre o "Fora, Temer" e a pauta contra as reformas. "O ato também é 'Fora, Temer', 'Diretas Já', estas pautas estão colocadas pelo movimento social. Elas não são contraditórias porque é o governo Michel Temer que está tentando implementar estas reformas", disse Boulos.

A manifestação da Avenida Paulista faz parte de um movimento nacional que inclui outros protestos em 17 Estados e paralisações de trabalhadores de categorias importantes como os metroviários, motoristas de ônibus e professores da rede estadual de São Paulo. Sindicatos organizaram atos em vários pontos da região central que seguiram em marchas separadas até a Avenida Paulista. 

Segundo organizadores, o próximo passo, caso o governo não recue das propostas, é a realização de uma greve geral em escala nacional. "Hoje a classe trabalhadora deu um recado ao governo. Ou Temer retira os projetos ou faremos uma greve geral", disse Douglas Izzo, presidente da CUT São Paulo. A "greve geral" foi o segundo grito mais entoado pelos manifestantes, depois de "Fora, Temer".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.