San Diego Zoo Global
San Diego Zoo Global

Milagre da multiplicação, pelos cientistas

Embriões de rinocerontes quase extintos são criados em laboratório para salvar espécie

Steph Yin, THE NEW YORK TIMES

06 Julho 2018 | 03h00

Se há dez anos você perguntasse a Thomas Hildebrandt se os rinocerontes-brancos do norte poderiam ser salvos, sua resposta seria negativa. O número de rinocerontes diminuiu para um dígito e os poucos remanescentes têm graves problemas de reprodução.

+ Morre último macho rinoceronte-branco do norte no Quênia

“Achamos que a história chegou ao fim”, disse Hildebrandt, biólogo do campo da reprodução da vida selvagem do Institute for Zoo and Wildlife Research em Leibniz e da Universidade Livre de Berlim. Seu prognóstico foi ainda mais desalentador quando Sudão, o último macho da subespécie, morreu em uma reserva no meio do semestre passado. Mas, na quarta-feira, ele e seus colegas escreveram na revista Nature Communications que a história desse rinoceronte não acabou.

Utilizando esperma congelado de rinocerontes-brancos do norte e óvulos de fêmeas rinocerontes do sul muito próximas deles, os cientistas criaram embriões híbridos que potencialmente podem ser implantados em fêmeas rinocerontes-brancas do sul, que servirão como barrigas de aluguel.

Este é um primeiro passo com o objetivo de ressuscitar a população de rinocerontesbrancos do norte, disse Jan Stejskal, diretor de projetos internacionais do Dvur Kralove Zoo na República Checa e autor do estudo. Várias equipes no mundo vêm trabalhando em colaboração no campo da alta tecnologia para ressuscitar a subespécie que hoje está funcionalmente extinta. Só duas fêmeas, mãe e filha, chamadas Najin e Fatur, ainda estão vivas na reserva de Ol Pejeta no Quênia.

Um caminho seria a fertilização in vitro de óvulos e esperma de rinocerontes brancos do norte. O que envolveria a produção de embriões precoces (ovócitos) em placas de petri que seriam então transferidos para fêmeas brancas do sul.

Hildebrandt e seus colaboradores começaram a investigar esta possibilidade. Congelaram amostras de esperma de quatro machos-brancos do norte e usaram uma amostra para fertilizar óvulos de duas fêmeas brancas do sul, criando quatro embriões híbridos. Além disso, criaram três embriões plenamente desenvolvidos de rinocerontes-brancos do sul.

A próxima etapa é implantar os embriões híbridos nas rinocerontes que servirão de barrigas de aluguel, o que deve ocorrer nos próximos meses. Se houver êxito, eles pedirão às autoridades do Quênia aval para coletar óvulos de duas fêmeas e depois fertilizá-los com esperma do rinoceronte-branco armazenado. A equipe espera que o primeiro filhote por esse método nasça em três anos.

Um inconveniente é que o pool genético de só duas fêmeas e quatro machos é limitado e pode levar a uma séria endogamia. Por isso, a equipe e um grupo liderado por pesquisadores do San Diego Zoo Global analisam outra estratégia: usar células-tronco pluripotentes induzidas (iPS). Elas são reprogramadas a partir do zero e podem se tornar outro tipo de célula, incluindo as de espermas e óvulos. /TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Mais conteúdo sobre:
rinoceronte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.