Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Micareta de Claudia Leitte no Rock in Rio

Empolgada, cantora fez público gritar e dançar como se estivesse correndo atrás de um trio elétrico em Salvador

Felipe Branco Cruz, de O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h05

Claudia Leitte, segunda atração da noite no palco Mundo, do Rock in Rio, transformou a cidade do Rock numa micareta. A escolha da cantora parece ter sido acertada porque, mesmo se apresentando depois dos roqueiros do Paralamas do Sucesso e Titãs, Claudia conseguiu fazer o público pular e gritar como se estivesse seguindo o trio elétrico do carnaval de Salvador.

A cantora abriu o show com o batidão do funk e se dizendo carioca. "Nasci em São Gonçalo, mas fui criada em Salvador", disse. A apresentação estava programada para começar às 20h10, mas ela foi entrar no palco vinte minutos depois. A micareta carioca promovida por Claudia Leitte foi aberta pela canção As Máscaras.

No palco, Claudinha estava acompanhada de seus dançarinos, que ajudaram a cantora a animar a plateia com hits como Famo$a, Beijar na Boca e Segura na Corda do Caranguejo.

Apesar de estar lotado e da animação da plateia, a impressão era de que havia menos pessoas assistindo ao show de Claudia do que o dos Titãs e Paralamas.

A artista também incluiu no repertório covers dos Rolling Stones, Led Zeppelin, Jorge Ben Jor, Frenéticas, Tim Maia, Zeca Baleiro e Chico Science. Quando cantou Satisfaction, por exemplo, o público percebeu a mistura cultural que Claudia levou ao Rock in Rio.

A canção do grupo inglês ganhou batucadas de atabaque e coreografias de Claudia de fazer inveja em Madonna e Britney Spears. "Sejam bem vindos ao maior festa do mundo", disse a cantora.

Hit do carnaval. O manguebeat de Chico Science, na música Da Lama ao Caos, foi a deixa para Claudia emendar uma das canções mais pedidas no carnaval de Salvador: Segura na Corda do Caranguejo.

A carioca naturalizada baiana fez milhares de pessoas desconhecidas se abraçarem e pularem de um lado para o outro.

Entre uma música e outra, a cantora pegou o violão e interpretou D'yer Maker, do Led Zeppelin. A música, inclusive, está no repertório de Cláudia desde o começo da carreira, quando ela ainda fazia parte da banda Babado Novo.

Ainda no clima de alegria e amizade, a carioca pediu para que o público fechasse os olhos e abraçasse de novo o colega do lado, mesmo que fosse um estranho. "Assim, suadinho que é mais gostoso", brincou.

Amor Perfeito, um dos maiores sucessos do Babado Novo, também entrou no repertório. Ela aproveitou e atacou com outro hit do Babado Novo, Paz, Carnaval e Futebol, que traz versos como "Vem, vem, vem, que o Brasil não tem vulcão".

"Vai, vai, vai, suba aqui na minha moto. Vem, vem, vem, aqui não tem terremoto", eram cantados a pleno pulmões pelo público. A nova canção de Claudia Leitte, Samba, gravada em parceria com o cantor latino Rick Martin também estava no repertório. "Essa é para meu amigo Rick Martin", anunciou.

O telão ficou exibindo cenas do clipe em que ele aparece dançando e também cantando. Depois de uma hora de show, a apresentação foi encerrada com Extravasa, com a cantora voando pelo palco içada por cabos de aço.

Claudia se mostrou antenada com o público do Rock in Rio e o resultado do show serviu, enfim, como um ótimo aquecimento para a apresentação seguinte, da americana Kate Perry.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.