'Meu filho deu a vida pelo amigo'

Em meio à catástrofe, a cidade elegeu seu herói. Corre de boca em boca o ato de coragem do jovem Edson Mateus Pereira, de 21 anos, que estava a salvo e voltou para o meio do tornado para salvar um amigo, o adolescente Matheus Nunes, de 12. Segundo o depoimento do menino, ele foi jogado pelo vento contra o alambrado, quando o rapaz chegou e disse: "Aguenta aí que eu vou te salvar."

TAQUARITUBA, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2013 | 02h02

Atingido pelos escombros do centro esportivo, Edson tornou-se o único morador da cidade morto pelo tornado - a outra vítima, o motorista do ônibus carregado pelo vendaval, era de São José da Boa Vista (PR). "O Edson morreu para salvar o meu filho", afirma a mãe do menino, Rosemar Nunes.

Ela conta que o garoto tinha saído para jogar bola quando começou o temporal. "Vi o vento escorchando tudo e entrei em desespero." Logo soube que seu filho estava salvo, embora machucado. As famílias são vizinhas e se conhecem: a mãe de Edson tinha sido cuidadora de Mateus na escola infantil. O pedreiro Nei Nunes, de 42 anos, pai de Mateus, não se cansa de elogiar o salvador do filho. "Ele já era um exemplo em vida, trabalhador, sem vícios, agora é um herói."

A aposentada Pedrina Pereira, de 51 anos, mãe de Edson, ainda não consegue segurar as lágrimas. Ela conta que, no domingo, ele almoçou com a família e saiu para jogar futebol. "Ele tinha falado que não ia jogar, mas não sei o que deu, de repente resolveu ir, pediu a bênção e saiu. Parece que Deus tinha reservado aquilo para ele."

Os pais e as duas irmãs são evangélicos e moram no bairro São Roque, periferia de Taquarituba. "Parecia que ele estava se despedindo", lembra o pai, Moacir Pereira, de 61 anos. "Quando acharam os dois, meu filho estava abraçado no Mateus. Ele deu a vida pelo amigo." / J.M.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.