Metroviários decidem encerrar greve

Fim da paralisação é decidido em assembléia realizada no começo da noite desta sexta

Elvis Pereira, do estadao.com.br,

03 de agosto de 2007 | 19h12

Os metroviários encerraram, no início da noite desta sexta-feira, 3, a greve que desde a zero hora de quinta-feira prejudica o transporte na capital paulista. O fim da paralisação foi decidido em assembléia, na sede do sindicato da categoria, no Tatuapé, zona leste de São Paulo. Mais cedo, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP) julgou a greve abusiva e determinou o retorno da categoria ao trabalho.   Veja também: Serra diz que demitirá metroviários mesmo com fim de greve Justiça considera abusiva a greve dos metroviários de SP   O sindicato orientou os metroviários para retornarem ao trabalho imediatamente. A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), porém, informou que as operações deverão voltar ao normal até a meia-noite desta sexta-feira. Por volta das 19 horas, as composições circulavam apenas nas Linha 1 - Azul (Tucuruvi - Jabaquara) e 2 - Verde, entre as estações Ana Rosa e Clínicas.   Sindicato   O sindicato foi multado em R$ 200 mil, referente aos dois dias de greve, por não cumprir a ordem de manter 85% do serviço em funcionamento nos horários de pico. Os metroviários receberam ainda uma multa por "litigância de má-fé" no valor de 5% sobre o valor da 1,5 folha de salários líquida do Metrô, segundo o TRT. Os grevistas terão descontados em seus salários os dias parados.   Motivo   O sindicato dos metroviários reivindicava o pagamento da participação nos resultados (PR) da companhia aos 7.500 funcionários do Metrô. Para tanto, iniciou na quinta-feira uma greve que prejudicou milhões de passageiros e fez com que a Prefeitura suspendesse o rodízio municipal de veículos.   Além disso, a SPTrans e a CPTM aumentaram as frotas de ônibus e de trens para atender à crescente demanda por transporte, resultando em um trânsito acima da média em toda a cidade e filas enormes nas estações da CPTM durante os dois dias de paralisação.

Tudo o que sabemos sobre:
Grevemetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.