Dainel Teixeira/Estadão
Dainel Teixeira/Estadão

Metroviários de São Paulo confirmam paralisação na próxima terça-feira

Greve já estava marcada quando a categoria disse ter sido surpreendida com anúncio de corte de 10% nos salários, mas pode ser suspensa em caso de acordo no Tribunal Regional do Trabalho

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2020 | 16h51

SÃO PAULO - O Sindicato dos Metroviários de São Paulo confirmou na tarde desta sexta-feira, 24, que fará uma paralisação na próxima terça-feira, 28, como forma de reivindicar a prorrogação do acordo coletivo já existente entre a classe e a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), que venceu em 30 de abril. A decisão já havia sido tomada e se manteve após a categoria ser surpreendida com um aviso de que a empresa vai promover um corte de 10% no salário nominal dos funcionários.

Os trabalhadores já tinham planejado uma greve para 1.º de julho, que foi adiada para o dia 8 a pedido do  Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Na segunda data proposta, o sindicato cancelou a paralisação porque havia expectativa de negociar com empresa e governo estadual, postergando-a para o dia 28. Porém, segundo Wagner Fajardo, um dos coordenadores do sindicato, não houve avanço desde então. Uma audiência com o TRT marcada para o dia 27 de manhã pode mudar os planos da greve na próxima semana, mas apenas se houver acordo favorável aos metroviários.

"O Metrô manteve a sua intransigência e nós decidimos manter a nossa greve, mas essa noite fomos surpreendidos com a notícia do Metrô de que ele vai tirar 10% do salário, alegando falta de dinheiro", disse ele em entrevista coletiva nesta tarde. A categoria também protesta contra diminuição e corte de "vários direitos dos metroviários nos salários de junho".

Camila Lisboa, coordenadora da entidade, disse que na noite dessa quinta-feira, 23, a categoria foi surpreendida com um aviso da empresa, por e-mail, de mais um corte de 10%. O Metrô de São Paulo estaria em uma crise de receita e essa seria uma das medidas para amenizar a situação. O sindicato pede, ainda, recuo de reduções impostas pela companhia, como de adicional noturno e risco de vida.

A justificativa de crise não convence a categoria, segundo explicou Alex Santana, diretor da Federação Nacional dos Metroferroviários (Fenametro). "O relatório do Metrô mostra uma defasagem de quase 2 mil metroviários, mas mesmo assim os índices melhoraram, e nos últimos cinco anos houve aumento da receita, tarifária e não tarifária, e diminuição de despesas." 

Camila afirmou que a redução salarial não acompanha redução de jornada nem há previsão de quanto tempo duraria. "A gente esperava que a campanha salarial fosse adiada e não (ocorresse) no momento da pandemia. Chegamos a conseguir esse adiamento por meio de liminar, mas foi cassada no TST e fomos obrigados a entrar em processo de negociação salarial. Teve reunião em 22 de junho e já ali o Metrô anunciou que praticaria cortes nos salários referentes ao acordo que eles querem impor", afirmou. Ela reforçou que os trabalhadores abriram mão de reivindicar aumento salarial nesse momento.

Para o sindicato, uma solução para a possível crise do Metrô seria cortar "os altíssimos salários de uma pequena parcela de funcionários" que ganha acima do teto do governador e acaba por onerar a capacidade financeira da companhia.

Segundo a categoria, as propostas do Metrô são reduzir a participação da empresa do plano de saúde dos trabalhadores, cortar os adicionais noturnos de 50% para 20% e as horas extras de 100% para 50%. "A gente acredita que o Metrô está tentando se aproveitar da pandemia para fazer enxugamento no nosso acordo coletivo, porque nós, os engenheiros e o próprio tribunal propusemos acordo emergencial durante a pandemia e o Metrô não aceita e quer fazer acordo reduzido para os próximos dois anos", disse Fajardo.

Greve dos metroviários

O sindicato afirmou que, caso ocorra, a paralisação dos metroviários começará a meia-noite do dia 23 (de segunda para terça-feira) durante as 24 horas do dia. Porém, existe a possibilidade de que a greve dure mais tempo ou que ela seja suspensa, mas com os trabalhadores atuando com catracas livres, se for o caso. As linhas 4 e 5 do Metrô têm acordo diferente e não entrariam na paralisação.

Procurado pelo Estadão, o Metrô informou que "mesmo com a crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, e transportando cerca de 35% da demanda comum de passageiros, o Metrô consegue manter a oferta de trens em até 100%, de acordo com a demanda, e honrou o salários e benefícios dos funcionários integralmente ao longo destes 4 meses."

"Diversas medidas de ajustes financeiros foram tomadas, com a renegociação e suspensão de novos contratos e a adoção de home office definitivo em setores onde é possível. No entanto, com a baixa arrecadação por um longo período, o Metrô vai pagar 90% do salário de julho dos funcionários, com o restante sendo pago assim que houver receita. Todos os esforços do Metrô continuam em prol da manutenção dos empregos", disse em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.