Metrô: um campeão de pedidos

Com apenas 74 km de rede, SP sofre com a mobilidade. E todos os dias o paulistano gasta, em média, 1h05 para chegar ao trabalho

O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2013 | 02h09

Não há hoje assunto tão caro ao paulistano quanto mobilidade. É sua principal reclamação, seu maior anseio. Um terço das ideias recebidas na pesquisa Que SP Vc Quer? se refere a esse assunto, tanto em relação ao trânsito de carros e bicicletas quanto ao transporte público por ônibus, metrô ou trem. Esse quadro mostra o quanto o morador da metrópole está farto de chegar em casa esgotado, com o corpo dolorido do metrô lotado, de ficar em pé no ônibus sacolejante ou gastar horas no carro olhando o semáforo abrir e fechar, sem ninguém conseguir se mover.

O paulistano hoje demora, em média, 1h05 diariamente para ir de casa ao trabalho. Isso significa que quase um mês inteiro é desperdiçado no trânsito no decorrer de um ano. Para reverter esse quadro, as propostas mais bem avaliadas trazem uma solução há décadas repetida por especialistas: expandir significativamente a malha do metrô.

Apesar de antiga, essa ideia demorou muito para sair do papel. Os primeiros projetos paulistanos para o metrô foram discutidos ainda no início do século 20, quando cidades como Buenos Aires, Londres e Nova York já operavam suas primeiras linhas. Mas, em São Paulo, a inauguração do primeiro trecho só ocorreu em 1974 e a expansão da rede a partir daí foi lenta: menos de 2 km de trilhos por ano.

A rede paulistana tem 74 km de extensão, bem menos do que cidades menores, como Berlim (331 km) e Moscou (313 km), de capitais latino-americanas, como Cidade do México (226 km), e até de locais que fizeram metrô mais tarde, como Seul (563 km) e Xangai (437 km). "Não entendo por que tudo no Brasil tem de demorar tanto. A população precisa cobrar a execução dessas obras o quanto antes", diz Leandro Gomes Silva e Silva, estudante que mora na Alemanha e enviou a ideia vencedora da categoria Transporte Público.

Pelos planos oficiais, a meta é que, em 2040, São Paulo tenha 264 km de metrô - quase quatro vezes a malha atual. Somando o crescimento da rede de trens, monotrilhos e corredores de ônibus, o transporte coletivo de média e alta capacidades deverá ter 1.336 km naquele ano. Caso essas promessas realmente saiam do papel, o tempo de deslocamento ao trabalho do paulistano não deverá passar de 30 minutos, menos da metade do de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.