Metrô, trens e ônibus terão aumento de tarifa no dia 1º de junho

O governador Geraldo Alckmin e o prefeito Fernando Haddad confirmaram nesta sexta-feira a data do reajuste dos preços; novo valor será definido até o dia 25 deste mês

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

17 Maio 2013 | 11h12

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta sexta-feira, 17, que o reajuste da tarifa do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) será no dia 1º de junho, um sábado. O prefeito Fernando Haddad (PT) também disse que o aumento "provavelmente" ocorrerá neste dia. Nenhum dos dois afirmou qual será o porcentual do reajuste. A tarifa custa hoje R$ 3.

Alckmin e Haddad disseram que o aumento será definido até o dia 25, data limite para que os governos municipal e estadual enviem suas propostas de reajuste para a Assembleia Legislativa e para a Câmara Municipal, respectivamente. Os valores precisam ser apreciados pelo poder legislativo.

Haddad afirmou que o reajuste ficará abaixo da inflação acumulada desde o último aumento, ocorrido em janeiro de 2011. "A orientação que eu dei para a Secretaria de Transportes é que o reajuste seja inferior ao da inflação acumulada desde o último reajuste", declarou o prefeito, sem, no entanto, especificar qual é o porcentual dessa inflação. 

"São Paulo está fazendo um esforço muito grande, manteve a tarifa congelada dois anos e meio. Isso onera os cofres públicos, como você pode perceber, porque eu tenho um contrato de concessão e a remuneração do concessionário independe do preço da tarifa. Então, se a tarifa não aumenta, aumenta o subsídio", disse Haddad.

Em carta aberta à população de São Paulo - e em meio a uma campanha salarial que caminha para nova greve -, o Sindicato dos Metroviários informou que a passagem do Metrô vai ser reajustada para R$ 3,40 no dia 1.º A informação, segundo os sindicalistas, vem circulando no Metrô desde fevereiro. O índice de reajuste, por esse valor, ficaria em 13,3% - maior do que a inflação acumulada desde fevereiro do ano passado, que foi de 8,9%.

Mas o governador Alckmin, embora tenha sido questionado, não comentou a respeito do valor divulgado pelo sindicato. Também não informou qual será o aumento. "O número está sendo fechado. A gente sempre procura fazer isso. Ver qual a inflação do período e dar um ganho de eficiência e produtividade para o usuário, ou seja, não repõe totalmente a inflação. Fica um pouco abaixo dos custos da tarifa do serviço", disse ele.

As declarações de ambos foram feitas durante solenidade na sede da Prefeitura de São Paulo, no centro da capital, na manhã desta sexta-feira. O evento marcou a cessão da área do Parque Esportivo dos Trabalhadores, o Ceret, no Tatuapé, na zona leste, do Estado para a Prefeitura, que pretende construir um centro olímpico no local, que tem 280 mil metros quadrados.

 

Mais conteúdo sobre:
tarifa metrô ônibus aumento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.