Metrô superlotado

TRANSPORTE PÚBLICO NÃO ATENDE À DEMANDA

O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2011 | 03h03

Na Estação Itaquera do Metrô há filas extensas todos os dias - chegando a pelo menos 300 metros. Por que o Metrô não faz uma programação melhor de seus trens? Faltam funcionários ou há problemas técnicos? Deveriam estender a linha de Vila Prudente até Guaianases e Cidade Tiradentes para desafogar a Estação Itaquera. É preciso que providências sejam tomadas antes que ocorra uma tragédia.

BETO CUSTÓDIO / SÃO PAULO

A Companhia do Metrô esclarece que eventuais filas nos bloqueios de entrada da Linha 3-Vermelha nos horários de pico são uma estratégia para controlar o fluxo de passageiros nas plataformas, proporcionando maior segurança aos usuários. Com esse controle, explica, se pode, inclusive, dar mais velocidade aos trens. Responde que a liberação desordenada de passageiros causa comprovadamente acúmulo nas plataformas e atraso nos trens, já que é preciso um tempo de parada maior, com aumento do risco de acidentes. Ressalta que está em andamento a instalação de um sistema de sinalização (o CBTC) que vai permitir um aumento significativo no número de viagens. A distância mínima entre os trens será reduzida, o que permitirá que eles circulem com maior velocidade. A previsão é de que a medida aumente a oferta de lugares em 20%, melhorando diretamente a qualidade de vida das pessoas.

O leitor opinou à coluna que deveriam ampliar o tamanho das plataformas e até mesmo o número de vagões para aumentar a capacidade de passageiros. Ressaltou que é necessária a expansão do transporte para o extremo da zona leste, pois o transporte público atual não atende à demanda.

FRAUDE

Carro clonado

Em 22/8, registrei uma denúncia no Detran-SP sobre um carro que circula com a mesma placa de meu veículo no Estado de São Paulo. Moro em Brasília e só soube da clonagem porque recebi uma multa. Em 8/10, recebi nova notificação de multa.

LUIZ GONÇALVES DA FONSECA

/ BRASÍLIA

O Detran-SP esclarece que a multa citada consta como cancelada em 18/10 e que cabe ao órgão autuador, neste caso o DER, receber e julgar os recursos de notificações de multas. Diz que foi aberto um processo administrativo na diretoria de fiscalização para a busca e apreensão do veículo que circula com a mesma placa em São Paulo. Explica que, infelizmente, não há como prever a duração do processo de investigação e a consequente apreensão do veículo supostamente clonado.

O leitor diz: O recurso foi deferido. Em 16/10, registrei uma queixa na Polícia Civil de Brasília sobre a possível clonagem.

AES ELETROPAULO

Descaso e risco à vida

Em 10/10, havia um galho grande e quase solto numa árvore na Rua Abegoaria, Jardim das Bandeiras. Entrei em contato com a Subprefeitura Pinheiros, que enviou uma equipe por volta das 14 horas. Como o galho pendia sobre a fiação elétrica, a AES Eletropaulo foi contatada. Sete funcionários públicos passaram a tarde inteira esperando, mas a concessionária não foi ao local. Na hora do almoço do dia seguinte, a equipe da Prefeitura retornou, mas ninguém da AES Eletropaulo apareceu. Liguei para a empresa e a informação obtida é que competia à Prefeitura, e não a mim, fazer a solicitação. Ainda buscando uma solução, às 16h50, telefonei para a Ouvidoria e a funcionária informou que uma equipe da Eletropaulo foi ao local, mas verificaram que não era necessária nenhuma providência. Argumentei que ninguém aparecera e que, sim, havia risco às pessoas. Ela respondeu que eu deveria ligar novamente ao setor de emergência da empresa!

ZENON LOTUFO JR. / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que realizou a retirada do galho no dia 15/10.

O leitor comenta: O alerta de risco de acidente foi feito na segunda-feira e as providências somente foram tomadas no domingo seguinte.

QUEDA DE ÁRVORE

Reclamar, um dever

Em 26/10, o trânsito da Rua Abílio Soares e adjacências permaneceu interrompido durante horas por causa da queda de uma árvore podre. No posto dos correios da Rua Tutoia, só um dos guichês funcionava com gerador. As pessoas, acostumadas a tantos transtornos, esquecem rapidamente dos dissabores que contribuem para tanta perda de tempo e aborrecimento, quando problemas evitáveis não chegam a configurar tragédias. Devemos escrever aos tais órgãos competentes (?) reclamando de tantos absurdos. Esquecer só contribui para que tudo continue com está.

JOSÉ RAIMUNDO G. DA CRUZ

/ SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.