Metrô sairá de SP e chegará a Taboão, ABC e Guarulhos

Gestão Alckmin estabelece extensões como prioridade; VLT para São Bernardo já tem projeto e conta com verbas federais

Eduardo Reina e Renato Machado, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2011 | 00h00

Uma das prioridades da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) para os transportes é expandir a rede de Metrô para fora dos limites da capital. O primeiro projeto a ser implementado é a ligação para a região do ABC em formato de um Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Outra área beneficiada é Taboão da Serra - que receberá a extensão da Linha 4 - Amarela. Haverá ainda parceria público-privada (PPP) para construir um novo ramal ferrometroviário para Guarulhos.

"O ABC é um dos primeiros assuntos que quero tratar", disse ao Estado o secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. Em uma semana, ele vai reunir-se com os prefeitos da região para finalizar a discussão do assunto, que já tem o projeto funcional concluído.

Em março de 2010, a prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, entregou à Secretaria dos Transportes Metropolitanos o projeto do metrô leve. É sugerida a ligação do ABC à capital paulista por um trajeto de 23 quilômetros, a ser percorrido em cerca de 30 minutos. O percurso contará com 18 estações, entre o bairro Alvarenga, em São Bernardo, passando por São Caetano do Sul, até a Estação Tamanduateí do Metrô, na zona leste da capital.

"O projeto básico vai definir se o metrô leve vai até o Alvarenga, como entendemos que é o ideal, ou até o Paço, como defende o Metrô. Mas o importante é que o governador Alckmin mostre essa disposição em atender esse direito da nossa região de ter uma ligação direta com o Metrô ", diz o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho.

O projeto prevê o transporte de 300 mil pessoas por dia, com capacidade para 20 mil pessoas por hora/sentido nos períodos de pico. "A prefeitura já havia feito a sua parte, custeando o projeto funcional, de R$ 1,3 milhão, e viabilizando com o governo federal recursos da ordem de R$ 27,6 milhões para o projeto básico, a ser realizado pelo Metrô", explica Marinho.

Taboão. O contrato da parceria público-privada (PPP) para a Linha 4-Amarela já prevê a extensão até Taboão da Serra. O trecho vai beneficiar 750 mil moradores em seis municípios: Taboão da Serra, Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu, Embu, São Lourenço e Juquitiba.

"A região sudoeste da Grande São Paulo é a mais pobre, com grande índice de desemprego. O metrô vai ajudar milhares de pessoas que lotam os pontos de ônibus às 4 horas para ir trabalhar em São Paulo", diz o secretário de Transportes de Taboão da Serra, Claudinei Pereira.

Sobre Guarulhos, a atual gestão pretende buscar definições sobre o terceiro terminal de Cumbica para definir o Expresso Aeroporto. No entanto, quer concluir a linha até o município da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). "Deve ser uma das primeiras PPPs que faremos", disse Fernandes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.