Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

Metrô pode desapropriar 58 'Pacaembus' para construir Linha 6

Pelo decreto no Diário Oficial do Estado, estão declarados de utilidade pública 407 mil m2

Caio do Valle - Jornal da Tarde, texto atualizado às 17h17

08 de maio de 2012 | 16h54

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) publicou nesta terça-feira, 8, um decreto que autoriza o Metrô de São Paulo a desapropriar, "por via amigável ou judicial", diversos imóveis para a construção da Linha 6-Laranja (Brasilândia-São Joaquim). Serão afetados pontos de bairros como Freguesia do Ó, na zona norte, Lapa, Barra Funda e Perdizes, na zona oeste, e Consolação, Bela Vista e Liberdade, no centro.

Pelo decreto no Diário Oficial do Estado, estão declarados de utilidade pública 407 mil metros quadrados de terrenos, o que equivale a 58 campos de futebol com as medidas do Estádio do Pacaembu, na zona oeste.

O Metrô deverá desapropriar casas e pontos comerciais em vias como as avenidas Brigadeiro Luís Antônio, Pompeia, Sumaré, Santa Marina e João Paulo I. Ruas como Venâncio Aires, João Ramalho, Sergipe, Consolação e Rui Barbosa também serão afetadas.

Dos 406 imóveis afetados, 214 são residenciais, 140 comerciais e 52 terrenos vagos. Segundo o Metrô, o ajuizamento das ações de desapropriação deve acontecer no segundo semestre deste ano.

A Linha 6-Laranja, prevista para ter 15 estações e 15,9 km de comprimento, será toda subterrânea. Seu primeiro trecho, entre Brasilândia, na zona norte, e Água Branca, na zona oeste, deve ser entregue em 2016. A gestão Alckmin quer elaborar uma Parceria Público Privada (PPP) para construir e operar a linha. Até agora, seis consórcios apresentaram interesse no projeto.

Tudo o que sabemos sobre:
metrôdesapropriação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.