Metrô ignora filas ao simular trajetos

Site da companhia calcula viagem sem levar em conta tempo perdido em baldeações ou na espera em bilheterias e nas catracas

Bruno Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

20 Março 2010 | 00h00

A ferramenta que ensina rotas para passageiros do Metrô na internet ignora filas e conexões entre as linhas para informar o tempo gasto nas viagens pelo sistema sobre trilhos da capital e Grande São Paulo. Na última semana, a reportagem testou cinco caminhos sugeridos pelo sistema, chamado simulador de trajetos, e todos demoraram mais do que o prometido. Segundo o Metrô, o sistema informa o menor tempo entre origem e destino.

A maior diferença anotada pela reportagem foi de 34 minutos, da Estação Tietê (Linha 1-Azul) para a Estação Giovanni Gronchi (Linha 5-Lilás). A menor foi de 11 minutos, entre as Estações Santo André da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e Barra Funda.

A ferramenta que informa os tempos de viagem fica no topo do site da companhia (www.metro.sp.gov.br). Nela, é possível programar a viagem com antecedência, selecionando as estações de embarque e desembarque em todas as paradas do Metrô e da CPTM. O guia informa quais são as estações em que é preciso fazer baldeação e quais são os custos da viagem - e indica que o tempo apresentado é o menor, entre a origem e o destino (mas não informa o que é ignorado no cálculo oficial).

O site tem 196 mil acessos por mês e 35% dos visitantes (cerca de 70 mil) entram no simulador de trajetos, segundo dados da companhia.

Trajetos. Das cinco rotas que a reportagem selecionou, percorrendo todas as regiões da capital e Grande São Paulo, nenhuma delas foi feita no tempo determinado pelo simular de trajetos.

O teste foi o seguinte: o cronômetro era ligado logo após a catraca das estações de partida e sempre desligado no instante em que as portas do trem se abriram, já na estação de destino.

Fora as filas, comuns tanto nas bilheterias como nas catracas e até nas escadas em horários de pico, o sistema ignora o tempo que o usuário gasta nas baldeações de uma linha para a outra. Quanto mais perto do horário de pico, maior a diferença entre o tempos informado e o efetivamente gasto no percurso.

Além disso, há falhas de orientação. O serviço deixa de sugerir rotas pela Ponte Orca Tamanduateí, que liga os trens do ABC à região da Paulista, o que encurtaria esses trajetos. Já nas rotas para a zona leste, ele orienta o passageiro a trocar o trem pelo metrô no Tatuapé, onde a baldeação é tarifada (no preço uma passagem, R$ 2,65 no bilhete unitário), no lugar do Brás, onde a troca de sistemas é gratuita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.