Metrô funciona com 60% dos trens nas linhas azul e verde

Transporte não funciona na zona leste da cidade; rodízio de veículos foi suspenso na capital

Milton F. da Rocha Filho, Agência Estado

02 de agosto de 2007 | 06h54

O Metrô em greve desde a zero hora desta quinta-feira, 2, começou a operar parcialmente nas linhas azul e verde (norte-sul e Estação Ana Rosa-Clínicas). O início das operações ocorreu a partir das 6 horas, o que facilitou a vida de muitas pessoas que já encontravam dificuldades para apanhar o ônibus em frente as estações destas linhas.   Só uma linha do Metrô funciona totalmente e duas estão paradas Trânsito ruim nas zonas leste e sul devido à greve do Metrô CET suspende rodízio em SP nesta quinta-feira Alternativas para o transporte Ônibus operam com Plano de Emergência Acompanhe na Rádio Eldorado notícias sobre a greve   A determinação de manter em funcionamento um porcentual das linhas, foi da Justiça do Trabalho, mas os metroviários inicialmente não haviam aceito a sugestão. Mas às 6h40, pelo menos 60% dos trens do Metrô das linhas azul e verde operavam, e o mesmo deveria se repetir no final da tarde.   A Prefeitura espera usar uma operação especial que coloca mais ônibus na rua, e no horário de pico, pelo menos 15 mil ônibus devem estar nas ruas, para tentar minimizar o prejuízo aos 3 milhões de usuários diários do Metrô.   Na zona sul da cidade, principalmente, mais carros estão nas ruas. Na zona leste, os ônibus já estavam nas ruas desde cedo, e as linhas de trem da CPTM começaram a operar desde às 4 horas. Os metroviários reivindicam uma maior participação nos lucros da companhia.   Muitos usuários do Metrô foram surpreendidos pela greve dos metroviários e buscaram as estações, na maioria fechadas. A estação Corinthians-Itaquera, a maior da zona leste, foi fechada e tem uma segurança reforçada com auxílio da Polícia Militar. A Prefeitura suspendeu o rodízio de veículos no centro expandido da capital.

Tudo o que sabemos sobre:
greve do metrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.