Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Metrô faz campanha por fones de ouvido

Objetivo é conscientizar passageiros que usam rádios e celulares para ouvir música alta

CRISTIANE BOMFIM, LUÍSA ALCALDE e TIAGO DANTAS - Jornal da Tarde, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2012 | 03h04

SÃO PAULO - O Metrô de São Paulo decidiu dar um basta às "baladas particulares" promovidas por passageiros que, com som em alto volume, incomodam outros usuários nas viagens. Ainda neste semestre, a empresa dará início à "Campanha da Cidadania", com orientação para o uso de fones de ouvido para música em celulares.

Lei municipal já proíbe o uso de aparelhos sonoros nos ônibus da cidade. Além disso, regulamentos internos do próprio Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também vetam o volume excessivo nos vagões. O desrespeito, porém, ainda é frequente e as queixas também.

A professora Valéria Mello, de 41 anos, por exemplo, diz que já trocou de lugar no metrô para não ter de ouvir funk no último volume. "A gente olha feio, reclama, mas as pessoas não se tocam." A insistência dos usuários "baladeiros" forçou Valéria a mudar de tática. "Agora, só troco de vagão para não arrumar confusão. Acho que acontece mais nos fins de semana, porque tem mais adolescentes no metrô", diz.

Não é somente a música que causa desconforto nos coletivos da metrópole. O empresário Kenylson Álvaro da Silva, de 26 anos, diz não saber o que é pior: "Ouvir música ruim dos outros ou ser obrigado a saber toda a vida pessoal de alguém que fala aos berros ao celular".

A neurocientista Ana Paula Valadares, de 38 anos, diz que sempre ouve música de outros usuários, mas nunca teve coragem de fazer uma reclamação formal. "Acho tão bizarro que não tem o que fazer. Uma pessoa que faz isso acha que o gosto dela é tão bom que todo mundo precisa ouvir. Se essa pessoa não tem noção da realidade, não vai adiantar eu falar."

Ranking. Mas é possível reclamar, sim, no serviço de denúncias do Metrô. Queixas como as de Ana Paula, Silva e Valéria colocam esse tipo de conduta entre aqueles diversos "comportamentos inadequados de passageiros", segundo a classificação do Metrô. No ranking das reclamações, o uso de aparelhos sonoros está em terceiro lugar. Na CPTM, denúncias sobre celular, MP3 e rádios portáteis lideram as queixas dos usuários.

Embora o Metrô não dê detalhes sobre sua ação publicitária, outros órgãos de transportes já fazem campanhas. A São Paulo Transporte (SPTrans) orienta seus usuários desde 2010. Segundo a Prefeitura, as mensagens são difundidas no Jornal do Ônibus, veiculado nos 15 mil veículos da frota.

Tanto a CPTM quanto o Metrô informaram ter agentes de segurança que circulam nos trens e nas plataformas e são orientados a abordar os usuários que descumprirem as normas. As empresas também emitem avisos por meio do sistema de som nas estações e nas composições. / CRISTIANE BOMFIM, LUÍSA ALCALDE e TIAGO DANTAS

Tudo o que sabemos sobre:
Metrôfones de ouvido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.