Metrô: estações da Linha 5 terão praça

Áreas verdes serão feitas sobre as paradas, no trecho entre a Alto da Boa Vista e a Servidor e terão, em média, 2,8 mil metros quadrados

CAIO DO VALLE / JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

22 Março 2012 | 03h04

As futuras estações da Linha 5-Lilás do Metrô, todas subterrâneas, terão um diferencial: praças amplas ocuparão a parte de cima das paradas, criando "respiros" urbanos em regiões que hoje carecem de grandes áreas abertas, como o entorno da Avenida Santo Amaro, na zona sul. Esses espaços terão, em média, 2,8 mil m². Atividades como feiras de artesanato, exposições e campanhas de vacinação poderão ocorrer nelas, deixando-as mais integradas ao bairro.

É o que explica Ivan Piccoli, coordenador de arquitetura, paisagismo e urbanização do Metrô. "Aquele é um trecho de cidade muito adensado, com imóveis que tendem à degradação ou já degradados." O fato de as avenidas chegarem muito perto dos imóveis, diz ele, contribui para a deterioração urbanística. "Então, o Metrô resolveu construir praças, para que ali a área se reorganize."

Piccoli entende que a Linha 5 poderá se transformar em um vetor para a reconfiguração desses pontos. O engenheiro Jaime Waisman, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), concorda. "O Metrô já é um empreendimento positivo. E pôr praças em áreas que precisam é trabalhar para requalificá-las." Por isso, Waisman acredita em uma transformação urbana no entorno dessas praças, com novas opções comerciais e residenciais em um raio de até 500 metros das estações.

Um dos trechos onde as obras do Metrô devem alterar bastante a paisagem é o da futura Estação Moema. Situada ao lado da Praça Nossa Senhora Aparecida, a área verde sobre a estação será uma espécie de "prolongamento" da vizinha. As duas serão separadas pela Avenida Divino Salvador. A quadra ao lado já está cheia de tapumes para a obra.

Outra estação, a Servidor, perto do Hospital do Servidor Público Estadual, terá ainda um estacionamento embaixo da sua respectiva praça. A garagem ocupará, segundo o projeto conceitual, dois níveis no subsolo. O Metrô não informou quantas vagas serão oferecidas.

As praças da Linha 5-Lilás - que não terão nomes, pois não serão logradouros oficiais, mas propriedades do Metrô - deverão se concentrar no trecho entre as Estações Alto da Boa Vista e Servidor. No trecho final, entre as paradas Vila Clementino e Chácara Klabin, haveria menos necessidade de adotar o modelo.

Marca registrada. Os novos ambientes externos ainda serão contemplados com grandes estruturas de aço e vidro, para cobrir as entradas das estações. Elas devem se tornar a "marca registrada" desse trecho da linha, que terá 11 paradas e deve ser entregue em 2015. A cobertura da Estação Alto da Boa Vista lembra a da Canary Wharf, do metrô londrino. Claraboias espalhadas pelas praças levarão luz natural às plataformas.

A presidente da Associação de Moradores de Moema, Rosangela Lurbe, comemora a iniciativa. "Quanto mais verde, mais qualidade de vida." Ela diz que a comunidade do bairro reivindica ao Metrô que evite cortar muitas das árvores do terreno na esquina das Avenidas Ibirapuera e Imarés, onde haverá um acesso para a Estação Eucaliptos. O espaço, do Exército, tem várias árvores frutíferas. A extensão da Linha 5 custará R$ 6,9 bilhões e vai transportar 644 mil passageiros diariamente.

Mais conteúdo sobre:
metrôlinha liláspraça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.