Caio do Valle/Estadão
Caio do Valle/Estadão

Metrô e CPTM vão entregar apenas 2 das 9 estações prometidas para 2015

Previsão é de que comecem a operar Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie, na Linha 4-Amarela; já a CPTM não deve inaugurar nenhuma parada no próximo ano. Em 2014, Estado entregou à população 7 estações no sistema metroferroviário

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

26 Dezembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - O governo do Estado de São Paulo entregará, em 2015, menos estações de metrô e de trem do que neste ano e também em um número menor do que havia anunciado. Pelo cronograma da gestão Geraldo Alckmin (PSDB), no próximo ano serão inauguradas duas novas estações do Metrô - Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie - e nenhuma da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). 

Questionado, Alckmin afirmou que obras de mobilidade, “caríssimas e complexas”, não ficam prontas “em 24 horas”.

Para 2015, além das duas estações de metrô, a rede da CPTM ganhará duas estações reconstruídas (Suzano e Ferraz de Vasconcelos) e uma reformada (Poá), na Linha 11-Coral. Elas já existiam antes da requalificação. O metrô também não terá sua malha expandida, porque as paradas a serem entregues ficam no meio da Linha 4. 

Neste ano, o governo inaugurou sete estações no sistema metroferroviário: Vila Aurora, na Linha 7-Rubi; Adolfo Pinheiro, na Linha 5-Lilás; Amador Bueno e Santa Rita, na Linha 8-Diamante; Fradique Coutinho, na Linha 4-Amarela; e Vila Prudente e Oratório, na Linha 15-Prata, que é um monotrilho. O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, que deixará o cargo no fim deste mês, havia anunciado, porém, 12 paradas. 


A Linha 17-Ouro, monotrilho do Metrô entre Congonhas e Morumbi, e a Linha 13-Jade da CPTM, entre Engenheiro Goulart e o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, estavam previstas para 2015, mas não serão concluídas. Juntos, os ramais teriam nove novas estações. Tanto o trem até o aeroporto como o monotrilho da zona sul devem ser inaugurados um ano depois do previsto pelo governo estadual. Segundo o metrô, 31,2 km de vias e 26 estações estarão emconstrução em 2015.

A consultora de marketing Margarete de Moraes, de 45 anos, que vive no Jabaquara, na zona sul, se queixa dos prazos. “Há uns sete anos ouço falar da Linha 17 e, até agora, nada, nem sombra de obra para esses lados. Só prometem e prometem prazos, mas não cumprem.” A segunda fase da Linha 5-Lilás, na mesma região da cidade, também ficou para 2016.

Mais atraso. A Linha 15-Prata, monotrilho suspenso sobre o eixo de avenidas como a Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello e Ragueb Chohfi, na zona leste, inicialmente teria mais estações abertas em 2014 - o projeto original era que a linha estivesse operando neste ano até a região de São Mateus. Até agora, duas estações foram entregues e funcionam parcialmente. Para 2015, nenhuma nova estação deve ser inaugurada.

O contador João Sousa, de 39 anos, pede mais rapidez nas obras do Metrô na zona leste, onde mora. “É preciso mais opções na região, porque a Linha 3-Vermelha está muito cheia.”

No pacote de obras do Metrô e da CPTM há projetos que tiveram a construção iniciada há vários anos. Caso do trecho mais a oeste da Linha 4-Amarela, que compreende as futuras Estações São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, na zona oeste. O ramal começou a ser implementado há uma década e o trecho foi prometido para 2014. Agora, a inauguração também está anunciada para algum momento de 2016 - mais provavelmente os últimos meses do ano.

Sinergia. Para o engenheiro Emiliano Affonso, presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô de São Paulo (Aeamesp), vários fatores podem adiar a entrega de obras. “O governo está tentando tirar o atraso, mas é preciso sinergia de todos, até da sociedade. Para colocar um carro rodando na cidade não tenho de respeitar nenhuma medida mitigatória. Já o Metrô tem de cumprir uma série de exigências para obras”, diz, referindo-se às demandas de órgãos como a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente.

Affonso defende que o planejamento das linhas comece mais cedo e leve em consideração a ocupação do solo. “A racionalidade de se fazer, por exemplo, uma estação virar polo de desenvolvimento em uma região afastada poderia ser pensado com antecedência.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.