Metrô da Linha 4 demora até 4 vezes mais do que na Linha 3

A espera por um trem na Linha 4-Amarela do Metrô varia entre três e sete minutos, até quatro vezes mais do que o intervalo da Linha 3-Vermelha, a mais movimentada do sistema, que é de 101 segundos no pico - ou 1 minuto e 41 segundos. O tempo máximo é semelhante ao de cinco das seis linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) no horário de maior movimento. O novo ramal funciona das 9h às 15h.

Bruno Ribeiro JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2010 | 00h00

O novo ramal foi inaugurado em maio. Segundo Luís Valença, diretor-presidente da ViaQuatro, concessionária que administra a linha, isso ocorre porque a rede ainda é pequena: duas estações, Paulista e Faria Lima, e dois trens. "Qualquer interferência em um dos trens pode dobrar o tempo de espera. Tem um impacto muito maior do que nas outras linhas", diz.

Os tempos foram marcados pela reportagem perto da hora do almoço, na Estação Paulista. O cronômetro era acionado quando as portas do trem se fechavam e era desligado quando as portas do seguinte eram abertas. Foram 11 contagens de tempo. A menor foi de 3min47s e a maior, de 6min59s. Houve cinco marcações na casa dos 4min.

Valença diz que o sistema já está funcionando perto dos padrões desejados pela empresa. "Hoje (ontem) o intervalo médio foi de 4min20s. O ideal é um intervalo de 4min11s", afirma. Quatro partidas foram canceladas ontem, segundo ele. Quando um trem atrasa, é preciso segurar o outro. Nas outras linhas, diz, é possível diluir o atraso.

Para o engenheiro e consultor de transportes Peter Alouche, um dos responsáveis pela implementação da Linha 1-Azul, a primeira do Metrô de São Paulo, os ajustes são toleráveis e até necessários. "Eles devem ser feitos agora, antes de o sistema operar nos horários de pico", analisa. Alouche afirma, como exemplo, que a implementação dos trens da Linha 1-Azul demorou cerca de dois anos. "Depois, na linha leste-oeste (Linha 3-Vermelha), foi mais fácil, mas porque o sistema era quase o mesmo", diz.

Problemas. As Estações Paulista e Faria Lima foram abertas em maio. Até agora, problemas como a falta de banheiros e de sinais para celulares e internet sem fio não foram solucionados. O Metrô diz que tem um projeto para os banheiros, mas não dá prazos. A ViaQuatro diz que está se preparando para ter sinais de celular, mas que o Wi-Fi "pode não ser viável no médio prazo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.