Metrô começa a receber queixas de segurança por torpedo

Passageiros do Metrô já podem fazer queixas à companhia por meio de torpedos de celular. Mas não vale reclamar da lotação. O serviço, que começou a funcionar ontem, é um canal direto com a área de segurança do sistema, voltado às denúncias de vandalismo, comércio clandestino ou comportamentos inadequados - como alguém sentado indevidamente no banco de idosos, por exemplo.

Bruno Ribeiro e Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2011 | 00h00

Até o final da tarde de ontem, no entanto, a divulgação da novidade era tímida. Havia apenas mensagens nas TVs dentro dos vagões. A companhia promete começar ainda nesta semana uma campanha mais ampla, com cartazes e distribuição de folders aos usuários.

O serviço existe há dois anos na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) - onde o comércio ambulante é bem mais comum. De lá para cá, a CPTM diz ter recebido 13.486 denúncias via SMS.

"O índice de resolução das denúncias recebidas fica em torno de 30% dos casos, um nível bem aceitável, considerando que nem todas são efetivamente denúncias de irregularidades", diz a companhia. A principal queixa dos passageiros dos trens é a poluição sonora.

Na hora de reclamar. O Metrô exige certo detalhamento das informações a serem repassadas. Pede que o denunciante informe qual é a queixa, em que vagão (o número do vagão fica no fundo e na frente dele), em qual linha e sentido e uma descrição física ou das vestimentas do autor.

Ao saberem das exigências do Metrô, passageiros ouvidos ontem reclamaram. "Acho que não vai dar certo. Não sei onde fica o número do vagão para colocar no torpedo", afirmou a universitária Amanda Stucchi, de 24 anos. Amigo de Amanda, o também estudante Rafael Colonese, de 25, diz que até sabe onde fica o número, mas que tem dificuldade para encontrá-lo quando o trem está lotado. "Em uns vagões o número é grande. Em outros, pequeno. Se estiver lotado e eu quiser avisar o Metrô de alguma coisa, não vai dar", opina. A companhia diz que vai avaliar se a comunicação sobre o SMS está sendo clara e, caso não esteja, deverá fazer mudanças.

"Não acho que ambulantes e gente pedindo dinheiro seja um problema. É só não dar nada para eles. Não precisa mandar SMS para ninguém. Eles tinham de dar um jeito é na lotação. Nós mandaríamos o recado, e eles davam um jeito de colocar mais trens", sugere o comerciante Florisvaldo Santos, de 52 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.