Metrô calcula prejuízo de R$ 73 mil com estações depredadas em protesto

Quatro paradas tiveram entradas ou acessos destruídos em ato contra o aumento de tarifa no transporte público; manifestações ocorreram na Avenida Paulista e arredores

O Estado de S. Paulo

07 Junho 2013 | 14h57

SÃO PAULO - O Metrô contabilizou um prejuízo de R$ 73 mil com as estações depredadas nessa quinta-feira, 6, por causa do protesto contra o aumento das passagens no transporte público em São Paulo. O reajuste das tarifas, de R$ 3,00 para R$ 3,20, válidos para os ônibus da capital, trens e metrô, motivou o fechamento da Avenida Paulista,  a destruição do mobiliário da via e o confronto entre manifestantes e policiais na noite de ontem.

O Metrô divulgou que do prejuízo total, R$ 68 mil foi causado por vidros quebrados, e R$ 5 mil por luminárias danificadas. A companhia afirma que irá responsabilizar e acionar judicialmente os autores dos danos ao patrimônio público, "para que os contribuintes e demais usuários não tenham que arcar com o custo desse lamentável episódio".

As estações Brigadeiro e Trianon-Masp, da Linha 2-Verde, tiveram os vidros de seus acessos quebrados e, assim como a estação Consolação, foram fechadas enquanto os manifestantes passavam pelo entorno.

A Estação Vergueiro, da Linha 1-Azul, teve um de seus acessos fechado em razão de depredação em seu interior e um agente de segurança do Metrô foi ferido sem gravidade. A companhia observou em seu comunicado que o reajuste da tarifa, de 6,7%, válido desde o dia 2, foi inferior à inflação do período.

Mais conteúdo sobre:
metrôprejuízoônibuspaulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.