Metrô aumenta nº de trens em novo horário de rush: entre 21h e meia-noite

Universitários lotam estações à noite; Linha 1-Azul passará de 32 para 35 composições no período e a Linha 3-Vermelha, de 29 para 33

Marcela Spinosa, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

JORNAL DA TARDE

Depois de pegar o metrô cheio de manhã para ir trabalhar e de tarde para chegar à faculdade, a estudante de Direito Nayara Araújo Arruda Vinhal, de 22 anos, também encara trens lotados na volta para casa, no fim da noite. "O metrô vai lotado. Às vezes, espero três trens para embarcar." A jovem faz parte do grupo de 290 mil passageiros que usa o sistema no novo horário de rush da capital paulista: entre 21 horas e meia-noite.

Desde 2009, apenas neste horário, mais 12 mil pessoas passaram a frequentar as estações do Metrô. Por isso, a partir desta semana, o número das composições subirá das atuais 79 para 86. As linhas contempladas, 1-Azul e 3-Vermelha, foram escolhidas por serem as mais movimentadas no horário. A primeira circula com 32 composições e terá 35. Na segunda, o Metrô aumentará de 29 para 33.

O congestionamento das linhas à noite, segundo o Metrô, é provocado principalmente pelos estudantes. O horário mais crítico coincide com a saída das universidades localizadas perto das estações: entre 22h30 e 23h. As quatro estações mais movimentadas ? Palmeiras-Barra Funda, Bresser, São Joaquim e Liberdade - concentram em suas proximidades 20 instituições de ensino.  

 

"Do ponto de vista da competitividade, é quase uma necessidade as escolas estarem perto do metrô", diz o gerente de Operações da companhia, Wilmar Fratini. Ainda segundo ele, o aumento de passageiros foi provocado por três fatores: estabilidade econômica, construção de universidades perto das estações e o Bilhete Único.

O engenheiro Sérgio Rogério Cesário Costa, do Instituto de Engenharia, concorda em parte com as explicações do Metrô. "Houve uma série de investimentos no centro. As universidades chegaram e o metrô tem de aumentar a frota para evitar sobrecarga." E o Metrô acredita que o volume de passageiros crescerá. "Há uma tendência de as pessoas conseguirem o primeiro emprego. Com isso, podem estudar à noite."

Mais viagens. Após 21h, o número de passageiros transportados é 20% inferior em relação aos horários de pico da manhã (entre 7h e 8h) e da tarde (entre 17h30 e 18h30). Nesses períodos, circulam pelas estações perto de 700 mil pessoas. O problema do fim da noite é a menor oferta de trens.

Com mais vagões, a expectativa de Fratini é de melhora: "O intervalo entre os trens será reduzido e vamos realizar 30 viagens a mais." O Metrô deve, ainda, colocar quatro trens vazios a cada 15 minutos na Linha 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.