Adriana Ferraz/Estadão
Adriana Ferraz/Estadão

Meta de Doria é chegar aos 100 dias com mais de 50% de aprovação

Nos Emirados Árabes para buscar investidores interessados em seu pacote de desestatização, prefeito comentou o resultado da 1ª pesquisa sobre a gestão

Adriana Ferraz, Enviada especial de O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2017 | 07h18

DUBAI - Em viagem aos Emirados Árabes Unidos para buscar investidores interessados no pacote de desestatização anunciado desde a campanha eleitoral, o prefeito João Doria  (PSDB) comentou na manhã desta segunda feira, 13, em Dubai, o resultado da primeira pesquisa Datafolha sobre sua gestão -  44% aprovam as medidas implementadas por ele desde que assumiu o comando da cidade, classificando o governo como bom ou ótimo. Mas o tucano quer mais.

"Sem falsa modéstia, desejo chegar aos 100 dias com avaliação superior a 50%", disse.

Doria foi eleito com 53% dos votos, mas o prefeito diz não se preocupar com a diferença entre o apoio recebido na eleição e o de agora. "Se você somar a avaliação regular, com tendência positiva, como está claro, dá mais de 70%", ressaltou.

Segundo a pesquisa, 33% consideram o governo regular. 

Para o prefeito, o resultado positivo deve-se a um conjunto de fatores, com destaque para os 140 mil exames realizados pelo programa Corujão da Saúde, as ações do São Paulo Cidade Linda e a política de redução de gastos. 

A pesquisa também mostra que 97% dos entrevistados são contra pichações na cidade. Mas 85% gostam de grafites em muros e fachadas. "Vamos continuar combatendo as pichações pela cidade que, aliás, já estão diminuindo."

Privatizações. O tucano viajou nesta segunda-feira para Abu Dabi, capital dos Emirados, onde se reunirá com representantes de fundos de investimentos soberanos, como o Mubudala, que recentemente investiu nas empresas de Eike Batista, hoje preso em função da Operação Lava Jato.

Também está prevista uma visita ao Autódromo de Abu Dabi. O complexo onde fica o circuito é considerado exemplo para Interlagos, pois reúne no mesmo local hotel, centro de convenções, parque de diversões e o Museu da Ferrari.

Doria quer privatizar o autódromo de São Paulo e incentivar ali a construção de um museu em homenagem a Ayrton Senna, além de shopping e prédios residenciais.

* A REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO GOVERNO DOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS E DA EMIRATES AIRLINES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.