Mestre-sala é inspiração carioca

Foi a empolgação do carnaval carioca que inspirou o surgimento da primeira escola de samba da cidade de São Paulo, a Lavapés. Inusitadamente, ela nasceu como um projeto familiar: o oficial de justiça e tocador de bandolim Francisco Papa a fundou com a mulher, Deolinda Madre, e o irmão dela, José Madre.

O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2013 | 02h01

Em 1936, durante uma viagem ao Rio, o grupo acompanhou os desfiles dos blocos na Praça Onze e se apaixonou à primeira vista pela animação da festa. Logo, o trio decidiu importá-la para as ruas paulistanas, onde reinavam os corsos e cordões.

Dito e feito. No carnaval do ano seguinte, eles se lançaram como escola de samba, percorrendo ruas como a Direita. E trouxeram inovações. "O mestre-sala, por exemplo. Aqui, era só o porta-estandarte. Depois, a escola lançou a comissão de frente, que não tinha em São Paulo. Aqui, eram rei e rainha", diz Rosimeire Marcondes, neta dos fundadores e atual presidente da Escola de Samba Lavapés, batizada desse jeito em homenagem à rua onde foi criada, no Glicério, região central.

Ao longo dos anos, porém, a escola não conseguiu se manter na dianteira do carnaval, embora tenha formado grandes sambistas, como Carlão do Peruche. Hoje, a Lavapés desfila no quarto grupo, o último. E clama pela atenção dos grandes patrocinadores, sempre tão restritos ao sambódromo. / CAIO DO VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.