Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Mesmo sem regras, serviço de mototáxi já funciona em SP

Trecho de 1 km tem viagem a R$ 20, mesmo percurso é feito de táxi e sai por R$ 9,20 na região central

Marici Capitelli, Jornal da Tarde,

30 de julho de 2009 | 10h47

Embora o serviço de mototáxi não seja regulamentado na capital paulista, não é difícil encontrar motoqueiros que o ofereçam. A reportagem do Jornal da Tarde descobriu, porém, que além de pagar mais caro, a viagem de mototáxi pode ser arriscada.

 

Na garupa, a repórter se assustou ao atravessar semáforos no vermelho, passar pelo corredor de motoqueiros entre os carros, buzinar para pedestres que atravessavam na faixa e até esbarrar a perna em um ônibus, ao ficar encurralada entre dois coletivos na Avenida São Luís, no centro.

 

Foram 15 minutos de viagem. O serviço foi contratado por telefone e o encontro com o mototaxista ocorreu na Avenida Doutor Césario Mota Júnior. Acertado o preço - R$ 20 até a Rua Martins Fontes (só a 1 km de distância) -, o motociclista só pede que se use o capacete. "E todas as vezes em que for fazer a curva, a senhora vira o corpo para o mesmo lado."

 

O rapaz também diz que a viagem é tranquila e vai sair mais barata que a de táxi. "Mototáxi é bem mais em conta." E quanto à segurança? Deve-se segurar na cintura ou na jaqueta? "Qualquer jeito é seguro", responde e atravessa a Amaral Gurgel e entra por várias ruas do centro.

 

Suas manobras assustam, mas ele garante novamente que "tudo está tranquilo" e o número de clientes vem aumentando. "Só não sei se vamos ter taxímetro", diz, antes de deixar a passageira no ponto combinado. A reportagem ainda fez a mesma corrida de táxi: R$ 9,20 e somente 10 minutos de percurso.

Mais conteúdo sobre:
mototáxi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.