Mesmo itens 'inofensivos' podem causar riscos

Mesmo acessórios considerados mais inofensivos podem ser perigosos quando adulterados. Luzes que ofuscam a visão, por exemplo, são outra moda comum em São Paulo. Feitos de xenônio, os faróis - que são são proibidos no Brasil caso não sejam originais de fábrica - normalmente têm tonalidade azul e custam em torno de R$ 250.

O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2012 | 03h01

Outro item que pode trazer problemas é o DVD. No caso desse aparelho, a legislação é clara: é preciso instalar um dispositivo que bloqueie as telas postas na parte da frente do veículo quando o freio de mão não estiver puxado. O risco é de o motorista se distrair ao volante. Na região central da cidade, a trava, porém, é liberada por R$ 700. Existe então um pacto informal entre os envolvidos na comercialização: o vendedor joga a responsabilidade no comprador, que assume os riscos.

Já acessórios como porta-bicicletas e engates têm regras próprias - e basta segui-las para estar dentro da lei. No mercado de São Paulo, no entanto, nem isso é preciso. Nas ruas do centro, a reportagem encontrou, sem dificuldades, suporte para bicicletas que tampa as lanternas de freio e encobre parte da placa - duas condições vedadas pela legislação -, além de engates fora dos parâmetros solicitados pelos órgãos competentes de trânsito.

Flagrantes. Customização sem certificado oficial configura, no entanto, infração prevista por resoluções do Conselho Nacional de (Contran) e pelo Código de Trânsito Brasileiro. Segundo dados da Polícia Militar, 8.671 motoristas foram flagrados em 2010 no Estado de São Paulo com itens irregulares. No ano passado, esse número saltou para 10.234. Nos primeiros cinco meses de 2012, já foram 5.492 autuações. A multa vai de R$ 127,69 a R$ 191,54. /A.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.