Mesmo com greve, 90% da frota do Metrô deve circular em horários de pico

Greve foi marcada para esta quarta-feira; companhia e metroviários fazem outra audiência nesta noite

Marcela Gonsalves, Central de Notícias

31 de maio de 2011 | 16h30

SÃO PAULO - Ainda que os metroviários mantenham a greve marcada para esta quarta-feira, 1º, pelo menos 90% da frota terá que ser mantida em circulação durante os horários de pico e 70% nos demais horários. A decisão foi tomada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) na tarde desta terça-feira, 31, durante audiência realizada entre o Metrô e o Sindicato dos Metroviários, para tentar negociar a greve proposta pelos trabalhadores.

 

A audiência acabou sem acordo. Os metroviários farão uma assembleia às 18h30 desta terça-feira para definir os rumos da greve. O sindicato exige reajuste salarial de 10,79% e outros benefícios. Na tarde de hoje, o Metrô ofereceu reajuste salarial de 6,39% mais 1,3% de aumento real, o que significa um ganho de 7,77% sobre os salários atuais, além de outras concessões.

 

CPTM. Em decisão similar, o TRT determinou que os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que também marcaram greve para esta quarta-feira, deverão manter 90% da operação dos trens nos horários de pico, ou seja, das 5h30 às 10h e das 15h30 às 21h. Nos demais horários, deverão ser assegurados 70% das atividades operacionais.

 

Texto atualizado às 20h25.

Tudo o que sabemos sobre:
Metrôtransporte públicoCPTM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.