Mercado da Madalena, a 'trincheira sertaneja'

Os sábados no Mercado Público da Madalena, no Recife, são uma festa em torno do sertão nordestino, protagonizada por sertanejos que não se enquadram no perfil de retirantes. Moradores da capital, são poetas, declamadores, cantores, produtores culturais que amam a alma sertaneja e lutam para manter viva uma tradição que temem ser extinta em meio ao "forró de plástico" - como Sivuca chama as bandas estilizadas.

Angela Lacerda / RECIFE, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2010 | 00h00

Um sábado no Mercado da Madalena tem cerveja gelada, queijo de manteiga ou coalho (típicos do sertão), música, poesia, discussão e risos em torno de "causos".

Muitos defendem que os cantadores de repente são gênios injustiçados. "O maior foi Pinto do Monteiro", dizem o poeta pernambucano Marcos Passos e o escritor paraibano Zelito Nunes sobre Severino Lourenço da Silva, nascido em 1895. Da nova geração tem destaque Os Nonatos.

O produtor cultural e jornalista Anselmo Alves fica indignado com a possível extinção da sanfona de oito baixos, que era tocada por Luiz Gonzaga e hoje sobrevive com Arlindo dos Oito Baixos. "E quando Arlindo se for? Quem vai tocar oito baixos?"

A brincadeira em torno de poesia, cachaça e cantoria, batizada de "Prozac coletivo", só termina perto da hora do fechamento do mercado, às 18h. Para recomeçar no sábado seguinte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.