Mercado dá contrapartidas

A Operação Urbana é uma ferramenta prevista no Plano Diretor de São Paulo que permite obter dinheiro do mercado imobiliário para fazer melhorias urbanas. É uma troca: para erguer prédios acima dos limites construtivos do bairro, o incorporador paga uma contrapartida para a Prefeitura. As construtoras adquirem títulos chamados de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) - e o dinheiro só pode ser usado para melhorias na região da operação.

O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2012 | 03h02

As primeiras operações urbanas da capital foram propostas em 1995 na região da Água Branca, zona oeste, e da antiga Avenida Água Espraiada, atual Jornalista Roberto Marinho, na zona sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.