Meninos de toga

Voto útil

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

21 Abril 2012 | 03h07

Fãs de Carla Bruni podem decidir eleições na França! Falta ainda a primeira-dama decidir se quer continuar morando no Palácio do Eliseu.

Pedófilotur

Pedófilos de todo o mundo acabam de descobrir o turismo sexual pra lá de Teerã. Quem deu a dica foi a Embaixada do Irã no Brasil ao atribuir a "diferenças culturais" as reações contra o diplomata iraniano que cultivava o hábito de bolinar meninas na piscina de um clube em Brasília. Parece que em alguns lugares do Oriente Médio isso é supernormal.

"C" de coisa fofa

Com todo respeito às empregadinhas da novela das 7, o que é a Débora Falabella na das 9 cozinhando, arrumando cama, tirando pó, servindo café da manhã...? A classe C chegou em alto estilo à telinha da Globo!

Vaidade desmedida

Anderson Silva deu agora pra dizer por aí que é "meio metrossexual". Está, decerto, exagerando.

Briga de galo

Não convidem Eike Batista e Armínio Fraga para a mesma mesa. O dono do grupo EBX está morrendo de inveja do título que o ex-presidente do Banco Central ganhou nesta semana da revista The Economist: "Shakira de Barba"!

Não será surpresa para esta coluna se o ministro Cezar Peluso madrugar no STF na segunda-feira para abrir os trabalhos da Suprema Corte botando umas tachinhas no assento da cadeira de Joaquim Barbosa, sem reparar que o colega já havia colado com Durex um rabo de papel em sua toga ao apagar das luzes do expediente de sexta-feira na Praça dos Três Poderes.

É natural que aconteça algo do gênero depois que um chamou o outro de chato, feio e bobo, além de inseguro e nervosinho, provocando resposta com adjetivações à altura do debate acadêmico que se trava: ridículo, brega, caipira, tirano, desleal e pequeno!

Tomara que o chamado "supreme bullying" em curso não chegue ao ponto de nos fazer sentir saudades do tempo em que Gilmar Mendes distribuía petelecos na orelha de uns e outros no plenário do Supremo Tribunal Federal.

O conflito entre os homens de capa preta do noticiário vem ganhando proporções de quebra-pau na hora do recreio de escola pública!

Dependendo do aguardado voto do revisor do caso do mensalão, Ricardo Lewandowski, a situação pode fugir inteiramente de controle ainda no primeiro semestre do ano.

Depois não digam que não avisei!

É do Brasil?

Waltinho Salles é, mal comparando, uma espécie de Lionel Messi do cinema brasileiro: para uns e outros por aqui, a carreira internacional do diretor de La Estrada, concorrente à Palma de Ouro no Festival de Cannes, desqualifica sua identidade cultural com o país de berço. Com o craque do Barcelona, dá-se a mesma coisa na Argentina! A diferença, convenhamos, é que o

brasileiro desnaturado em questão é muito mais

bonitinho, né não?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.