Meninos de 11 anos é libertado de cativeiro em SBC

O garoto havia sido seqüestrado há seis dias

Oswaldo Faustino, do estadão.com.br

22 de maio de 2008 | 05h28

Depois de seis dia de cativeiro, um menino de 11 anos, seqüestrado na noite do último dia 15 de maio, foi libertado no início da madrugada desta quinta-feira, numa favela da periferia de São Bernardo do Campo, no Grande ABC. Ele foi levado por dois homens da frente da própria residência no bairro Terra Nova, em SBC. Os familiares receberam telefonema dos seqüestradores exigindo resgate de R$ 1 milhão. Trata-se de uma família de classe média e, para pressionar, os criminoso afirmaram que havia cortado um dedo do garoto e que o enviariam aos pais. Para dar um tom de veracidade ao fato, chegaram a colocar o menino ao telefone e o obrigaram a confirmar a amputação. Desesperada a mãe saiu em busca de algum dinheiro para pagar o resgate, mas até a noite de quarta-feira só havia conseguido arrecadar R$ 12 mil. Sem que os marginais soubessem, ela acionou a polícia e as investigações foram assumidas pela Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) da Delegacia Seccional de São Bernardo. Com algumas informações obtidas por telefonemas anônimos e com o processo investigativo, os policiais chegaram à favela do Jardim Silvina, onde localizaram Wagner Monteiro da Costa, de 29 anos. A princípio ele negou que tivesse qualquer informação sobre o fato, mas depois de pressionado, admitiu saber onde era o garoto se encontrava, um barraco do outro lado da favela. Ele estava sozinho com a mochila que portava no momento em que foi seqüestrado. Na delegacia, o menino reconheceu Wagner e a irmã dele, Solange, como as pessoas com quem tinha contando durante os dias em que passou no cativeiro. Ambos foram autuados em flagrante e a polícia procura por comparsas desses criminosos. O resgate não chegou a ser pago. Segundo os policiais da Dise, as investigações foram comandadas pessoalmente pelo delegado seccional de São Bernardo, Marco Antonio de Paula Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.