Menino Tancrède, que mobilizou redes sociais por transplante de medula, morre em SP

Ele lutava contra um tipo raro de leucemia; em um post recente, familiares informaram que a doença havia comprometido o pâncreas, rins e fígado

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2018 | 09h50

SÃO PAULO - O garoto Tancrède Bouveret de Liance, de 14 anos, morreu nesta terça-feira, 4, às 15h20, no Hospital Albert Einstein, zona sul da capital. Ele era portador da síndrome mielodisplásica, um tipo raro e agressivo de leucemia.

Desde fevereiro de 2015, o menino lutava contra a doença. Em abril daquele ano, Tancrède encabeçou uma campanha nas redes sociais em busca por um doador de medula. Em novembro, o menino achou um doador compatível e realizou o transplante.

Em 2016, os pais do garoto divulgaram nas redes sociais que Tancrède estava com o nível das plaquetas normal e que ele deveria retornar à escola.

Em maio de 2018, os pais do garoto divulgaram um post no Facebook informando que o quadro de saúde de Tancrède era grave e a leucemia havia retornado. 

Em uma publicação nesta segunda-feira, 3, familiares informaram que o garoto continuava internado em estado grave e que a leucemia tinha comprometido o pâncreas, rins e fígado.

A cerimônia de cremação de Tancréde será realizada na tarde desta quarta-feira no Crematório Horto da Paz. 

 

Mais conteúdo sobre:
leucemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.