Reprodução Pixabay
Reprodução Pixabay

Menino morre 2 semanas após ser picado por escorpião em Itapetininga

Em 2018, mais de 26 mil ataques do artrópode foram registrados no Estado de São Paulo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2019 | 15h55

Um menino de três anos morreu neste sábado, 5, duas semanas depois de ter sido picado por um escorpião, em Itapetininga, interior de São Paulo. Essa é a primeira morte de crianças em decorrência de acidentes com escorpião este ano. No ano passado, houve 12 óbitos, a maioria de crianças. Enzo Gabriel Fernandes Alexandrino brincava na casa de uma tia, no bairro Nova Itapetininga, no dia 22 de dezembro, quando recebeu a picada na mão.

A criança recebeu o soro antiescorpiônico no pronto-socorro do Hospital Leo Orsi Bernardes, na cidade, mas não reagiu. Dois dias depois, com o quadro agravado, o menino foi transferido para o Hospital Regional de Sorocaba, recebeu medicação, mas entrou em coma. O corpo foi sepultado no fim da tarde de sábado, no Cemitério São João Batista, em Itapetininga.

Conforme boletim do Centro de Vigilância Epidemiológica (CEV) do Estado, de janeiro a 17 de dezembro de 2018, houve 26.929 ataques de escorpiões no Estado, causando 12 mortes. Os números são maiores que no mesmo período de 2017, quando foram 21.711 ataques e 7 mortes.

Em dezembro último, a Secretaria de Saúde de São Paulo expediu comunicado de alerta aos serviços de saúde sobre os ataques de escorpiões, pedindo a imediata notificação dos casos. Conforme o alerta, o aracnídeo Tityus serrulatus, conhecido como escorpião amarelo, é responsável pela maior parte dos acidentes no Estado. Os municípios foram alertados para realizar ações de controle do animal peçonhento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.