Menino de 7 anos morre ao ser cortado por linha com cerol em Santos

Polícia investiga o caso, mas o dono da linha não foi localizado. Pipa caiu em rua próxima a que a vítimas e amigos estavam e eles correram para pegar o objeto

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 20h02

SOROCABA – Um menino de sete anos morreu após ser atingido no pescoço por uma linha de pipa com cerol, no início da noite desta sexta-feira, 22, em Santos, no litoral do Estado de São Paulo. A linha, impregnada com cola e material cortante, produziu um corte profundo e atingiu a traqueia da criança. O garoto, Jefferson Matheus Duarte, chegou a ser levado a um pronto-socorro, mas não resistiu à gravidade do ferimento. Até a manhã deste sábado, 23, o dono da linha não havia sido identificado.

+ Jovem tem rosto cortado por cerol e expõe risco em rede social em Itupeva

De acordo com a Polícia Civil, o garoto e alguns colegas estavam na rua Mestre Tomás, no bairro Rádio Clube, zona norte da cidade, quando viram uma pipa caindo e correram na direção do objeto. Com a queda, a linha ficou estendida sobre a rua e enroscou num carro que transitava pelo local. Puxada pelo carro, a linha esticou e atingiu o pescoço de Jefferson. Ele caiu e moradores da rua acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Ele foi levado ao Pronto-Socorro da Zona Noroeste, mas sofreu uma parada cardíaca e não se recuperou.

O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) e estava sendo velado pela família na manhã deste sábado. Policiais fizeram buscas e ouviram testemunhas no local do acidente na tentativa de identificar o dono da pipa. Se identificada, a pessoa pode responder por homicídio culposo – sem intenção de matar. Uma lei municipal de 1997 proíbe a soltura de pipa com material cortante em Santos. O descumprimento sujeita o infrator à apreensão do material e multa de um salário-mínimo. A fiscalização é feita pela Guarda Municipal. 

Mais conteúdo sobre:
cerol pipa [brinquedo] Santos [cidade SP]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.