Menino de 12 anos morre ao ser atingido por bala perdida no Rio

Família afirma que garoto foi ferido durante ação da PM. Corporação nega, mas Polícia Civil diz que houve incursão em morro

Bruno Boghossian, O Estadao de S.Paulo

15 Março 2010 | 00h00

/ RIO

Um menino de 12 anos morreu na noite de sábado ao ser atingido por uma bala perdida durante um tiroteio no Morro do Chapadão, em Costa Barros, subúrbio do Rio. A família de Paulo Gustavo de Oliveira afirma que o menino foi baleado no peito durante uma operação da Polícia Militar, mas a corporação negou que houvesse incursão no morro durante o tiroteio.

Segundo informações da Polícia Civil, no entanto, homens do 9º Batalhão da PM (Rocha Miranda) foram à região para ajudar uma patrulha que fazia ronda no local e foi recebida a tiros por bandidos que realizavam uma falsa blitz na favela Terra Nostra, também em Costa Barros.

A Divisão de Homicídios da Polícia Civil vai investigar o caso para determinar de onde partiu o disparo que matou o menino. Até o início da tarde de ontem, o corpo do garoto não havia sido liberado no Instituto Médico-Legal (IML). A polícia não apreendeu nenhuma arma no local em que o garoto foi morto.

De acordo com testemunhas e a família, Paulo Gustavo brincava perto de casa quando foi atingido. O menino chegou a ser levado para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, também no subúrbio, mas morreu uma hora depois.

A troca de tiros fez com que comerciantes do Chapadão fechassem as portas e assustou os moradores da comunidade. Homens do 9º Batalhão da PM reforçaram a segurança nos acessos ao morro. Além de afirmar que nenhuma equipe fazia operações no Morro do Chapadão, o setor de Comunicação Social da Polícia Militar disse ontem que não tinha informações sobre a morte do menino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.