Menina Isabella foi espancada e asfixiada, dizem peritos

Assassino teria agredido e esganado a menina com as mãos dentro do apartamento, segundo a TV Globo

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

08 de abril de 2008 | 08h07

Antes de ser jogada pela janela do sexto andar na noite de sábado, 29, Isabella Nardoni, de 5 anos, foi espancada e asfixiada dentro do apartamento. A conclusão é dos peritos da Polícia Civil de São Paulo, segundo divulgou a TV Globo na noite de segunda-feira, 7. De acordo com a TV, os peritos não encontraram sangue fora do apartamento: as análises apontaram que marcas na porta da residência, na maçaneta e no banco traseiro do carro de Alexandre Nardoni não são de sangue.   Veja também: Especialistas divergem sobre prisões do caso Isabella  Escute por que crimes assim comovem a sociedade Tudo o que já foi publicado sobre o caso Isabella    As provas periciais, por enquanto, dão as seguintes pistas: o assassino, ainda não identificado, teria agredido e esganado a menina com as mãos dentro do apartamento, antes do último ato de brutalidade. Ainda segundo a TV Globo, nesta segunda-feira, nove dias depois do crime, peritos voltaram ao apartamento. Eles querem esclarecer como e onde o assassino machucou a testa da menina. Essa é uma das dúvidas que cercam a morte, entretanto, não foram achadas marcas de sangue em nenhuma quina de móvel dentro da casa.   Na primeira perícia foi encontrado sangue no apartamento. Não se sabe de quem é, mas é certo que havia pingos em vários pontos: no chão do hall de entrada, em frente à porta da cozinha e no corredor que dá acesso aos três quartos. Os peritos observaram que, pelo tipo de mancha, a vítima estava a cerca de um metro do chão. Marcas de sangue foram encontradas também no lado externo da porta do quarto de Isabella; no lençol de uma das camas do quarto dos irmãos de Isabella, junto a uma pegada de sapato de pessoa adulta; na cama ao lado da parede e nas bordas do buraco feito na rede de proteção da janela.   A TV divulgou ainda que com base nas provas técnicas, os peritos concluíram que o assassino de Isabella de fato arremessou a menina pelo buraco da rede. No momento da queda, ela estava desmaiada. Segundo a perícia, Isabella foi jogada de cabeça para baixo, tanto que as marcas das mãos dela ficaram logo abaixo da janela, na fachada do prédio.   Procurada, a SSP não quis falar sobre a conclusão dos peritos, já que o inquérito está sob sigilo por decisão do delegado que investiga o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.