Menina é morta por bombeiro em noite com dez homicídios

Bandidos em moto atacaram ocupantes de carros parados em trânsito no Ipiranga. Um ladrão morreu

ARTUR RODRIGUES, BRUNO PAES MANSO, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2012 | 02h02

Uma menina de 10 anos morreu na noite de anteontem vítima de bala perdida no Ipiranga, zona sul da capital, quando voltava da praia com a família. Amanda Fernão Martinho foi atingida por disparo efetuado por um bombeiro que tentou impedir a ação de dois bandidos durante assalto. A morte de Amanda foi um dos dez homicídios registrados entre as 18 h de anteontem e 6 h de ontem, em mais uma noite violenta na Grande São Paulo.

O assalto aconteceu por volta das 20h50 de domingo na Rua das Juntas Provisórias - acesso à Via Anchieta. Um ladrão foi morto e o outro, preso. Um motociclista que passava pelo local ficou ferido.

O bombeiro Eder Nascimento dos Santos, que estava em Mitsubishi Pajero com sua mulher e dois filhos, de 1 e 4 anos, disse à polícia que viu os dois homens em uma moto pararem na frente de um carro preto e anunciarem o assalto. O trânsito estava congestionado. O motorista abordado conseguiu escapar do roubo, acelerando seu veículo.

Com o assalto frustrado, o garupa desceu da moto e caminhou na direção do carro do bombeiro. Santos também tentou fugir da abordagem e acelerou o carro. Segundo Santos, o ladrão deu nesse momento dois tiros na direção do Pajero. Ele reagiu com cinco disparos.

Três tiros atingiram o ladrão que estava na moto. Ele tinha 16 anos e morreu no local. O jovem tinha diversas passagens pela polícia e era filho de um traficante conhecido dos policiais do 95.º Distrito Policial (Heliópolis).

O garupa tentou fugir e, de acordo com o bombeiro, disparou duas vezes. Ele revidou com mais três disparos. Amanda, que estava em um Gol preto com a família, levou um tiro na cabeça. Seus pais e sua irmã, de 14 anos, que iam para a Vila Maria Alta, na zona norte, tentaram socorrer a menina. Ela foi levada ao Hospital do Ipiranga, mas não resistiu.

Outro disparo acertou o motociclista Emerson Borges dos Santos, segurança que passava de moto. Ele foi baleado nas costas, mas não corre risco.

O bombeiro pediu ajuda em um posto de gasolina e diversas viaturas chegaram. Nesse meio tempo, quatro policiais militares em folga disseram ter ouvido os disparos e acabaram abordando o jovem da garupa que fugia. Também foi preso Jeferson Lucas Santos Nascimento, suspeito de ser cúmplice no assalto.

O Estado entrou em contato com o bombeiro e com familiares de Amanda, mas eles não quiseram falar com a reportagem.

Vítimas. Entre as vítimas da violência também está o agente penitenciário Juarez Benedito Ferreira Alves, de 47 anos, morto na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em Guarulhos. Quatro homens em duas motos balearam o agente pelo menos dez vezes.

Alves estava de carro com o irmão, que também foi baleado. Ele é o terceiro agente penitenciário baleado desde o início de outubro no Estado.

Foram sete mortes na capital e três na Grande São Paulo. Além de Guarulhos, Osasco e Cotia foram cenários de crimes. Como tem ocorrido nos últimos dias, os matadores repetiram o modo de agir: passaram atirando de moto ou de carro. Às 15h de ontem, dois suspeitos morreram ao trocar tiros com a polícia na Avenida Diretrizes, no Grajaú, zona sul da capital.

Além das mortes, um grupo de pessoas roubou e depredou um ônibus na zona norte. De acordo com a Polícia Militar, um homem acabou detido e três adolescentes foram apreendidos por causa do tumulto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.