MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Menina de 12 anos foge de acampamento cigano na noite de núpcias

Garota, que morava em Pedregulho (SP) com a avó, está sob proteção policial porque é ameaçada por ter quebrado a cultura local

RENE MOREIRA, Especial para o Estado

12 de agosto de 2015 | 23h19

FRANCA - Uma garota de 12 anos é mantida sob proteção policial após ter fugido de um casamento e sofrer ameaças. Ela morava com a avó em um acampanhamento cigano, em Pedregulho (SP), e fugiu na noite de núpcias, no final de semana passado. Após pedir ajuda em um estabelecimento comercial, a garota foi encaminhada ao Conselho Tutelar de Franca (SP) e levada para um lugar seguro, não divulgado.

A menina contou que morava com a avó em um acampamento e foi prometida para um rapaz, como manda a cultura local. Ela disse ter resistido à união até que, quando sua avó viajou, um grupo resolveu fazer o casamento. A mãe da garota se casou há muito tempo e mudou de acampamento, assim como um tio. Seu avô está preso. 

Após a fuga, ela e a avó - também sob proteção policial - passaram a receber ameaças, segundo a polícia, feitas principalmente por parte do jovem que seria seu marido. O caso é investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Franca. 

Tradição. O casamento é uma das tradições mais preservadas entre os ciganos e representa a continuidade da cultura. Desde pequenas, as meninas ciganas costumam ser prometidas em casamento, sendo os acertos realizados pelas famílias com o pagamento de dotes. A exclusão do acampamento é uma das penas para quem não cumpre o acordado.

Há quatro anos, em São João da Barra (RJ), três ciganos foram assassinados. Eles pertenciam a uma família cuja noiva fugiu com outro rapaz antes do casamento com o homem prometido. Os suspeitos pela morte seriam ligados ao noivo.

Tudo o que sabemos sobre:
Pedregulho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.