Memorial do Imigrante fica aberto até domingo

Depois, museu passará um ano fechado ao público para reforma

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

Este é o último fim de semana neste ano para curtir o acervo do Memorial do Imigrante, localizado na Mooca, zona leste da capital. O museu - que celebra a memória da imigração em São Paulo - fechará as portas na segunda-feira, para passar por obras de restauro que devem durar 12 meses. A reabertura está prevista para agosto de 2011.

Com o restauro, orçado em R$ 5,2 milhões, fachada e telhados do Memorial serão totalmente refeitos e o espaço será adaptado para receber pessoas com deficiência. O complexo - que ocupa os prédios da antiga Hospedaria dos Imigrantes, construída entre 1886 e 1888 - também vai ganhar um auditório para 150 pessoas, construído em salas hoje ociosas do conjunto. As obras começam semana que vem.

Outra novidade será a criação de um café-restaurante - que terá cardápio especial, com pratos típicos das diferentes culturas - e uma loja, também com temática da imigração. Além de reforma estrutural, um novo projeto museológico ficará pronto até dezembro. "A ideia é tornar o museu mais informativo e interativo", diz o secretário de Estado da Cultura, Andrea Matarazzo.

Criado em 1998, o Memorial do Imigrante guarda cerca de 800 livros sobre pessoas de diversos países que vieram viver em São Paulo, além de centenas de passaportes, cartas, fotografias e objetos de uso pessoal. Cerca de 500 registros de história oral - gravações em áudio e vídeo realizadas pela equipe do museu - ajudam a compor a história da imigração no Estado. Não será necessário transportar os documentos para outros prédios enquanto durar o restauro.

Na nova fase, haverá também espaço para falar de brasileiros que moram no exterior. "Será um museu mais "bilateral". Vamos explorar todo o processo da imigração, não só o que já passou, mas o que ainda está acontecendo", conta a historiadora Claudinéli Ramos, coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico da Secretaria da Cultura. "E o acervo também será ampliado com qualidade. As comunidades serão ouvidas, para entendermos o que é representativo das culturas."

Pesquisas. Enquanto durar o restauro, a pesquisa aos registros de imigrantes continuará disponível na internet (www.memorialdoimigrante.org.br), ou pelo telefone (11) 2692-1866, ramal 224. Para quem quiser consultar pessoalmente listas de desembarque e microfilmes de documentos, o melhor é buscar os dois totens de pesquisa na Subprefeitura da Mooca (Rua Taquari, 549) - disponíveis já a partir do dia 2. O atendimento será de segunda a sexta, das 13h às 17h.

Para lembrar

Tombado pelo patrimônio histórico, o Memorial do Imigrante funciona onde, na virada dos séculos 19 e 20, hospedavam-se por até oito dias os recém-chegados a São Paulo. Lá, recebiam atendimento médico, alimentação e ajuda para conseguir emprego. Na década de 30, uma reforma no prédio deu à fachada detalhes neoclássicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.