Melhor sistema de proteção ainda é o cachorro

Análise: José Vicente da Silva

É ESPECIALISTA EM SEGURANÇA PÚBLICA, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2012 | 03h03

É mais traumatizante a entrada em uma casa porque a vítima imagina que vai virar a chave da porta e não vai acontecer mais nada com ela. No entanto, há mais risco de ser atacado por um ladrão em outras situações. Estima-se que ocorram 600 assaltos por dia em São Paulo. Comparativamente, roubos e furtos a residência não são tantos. É preciso ver se o assalto às casas é uma tendência e o que necessita ser feito. Para a Polícia Militar, recomenda-se analisar o que está acontecendo para ajustar o policiamento. Já a Polícia Civil precisa ir atrás da identificação dos bandidos.

Vale dizer que os bandidos sempre vão atacar um alvo de baixo risco e alto benefício. Quando você incrementa o risco, reduz a probabilidade (de ser roubado). Por isso, o melhor sistema para proteger a casa ainda é o cachorro. Bandido morre de medo. Mas não pode ser um totozinho, tem de ser um daqueles que vai fazer você gastar um quilo de ração por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.