Meio século pelas ruas de Higienópolis

Por onde anda...

, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2010 | 00h00

Hideraldo Luiz Bellini, capitão da seleção brasileira na Copa de 1958

Hideraldo Luiz Bellini entrou para a história no dia 29 de junho de 1958. Foi esse o dia em que ele, então capitão da seleção brasileira de futebol, eternizou o gesto que o zagueiro Lúcio sonha em repetir em 2010. Campeão do mundo, Bellini recebeu a taça nas mãos e, em vez de beijá-la como era o costume, ergueu-a com ambos os braços enquanto comemorava o primeiro título mundial do País.

Naquele dia, Bellini tinha 28 anos. Na última segunda-feira, o ex-jogador completou 80 e continua vivendo na cidade que decidiu adotar há quase cinco décadas - São Paulo.

Apaixonado pelo bairro de Higienópolis, Bellini e sua mulher Giselda moram no mesmo apartamento desde que se casaram, em 1962. "Ele jogava no Vasco e veio para o São Paulo para poder ficar mais próximo da nossa cidade natal (Itapira, no interior do Estado)", lembra Giselda.

A rotina do casal também continua intrinsecamente ligada ao bairro em que vivem há tanto tempo. "Frequentamos o Pátio Higienópolis, almoçamos no Ráscal, tomamos café em uma padaria perto de casa, caminhamos na Praça Buenos Aires...", conta a mulher.

E, toda sexta-feira, eles fazem questão de ir à missa na capela que consideram "a mais linda de São Paulo": a do Colégio Sion, onde Giselda trabalha há 33 anos. "A nossa vida é Higienópolis." / RODRIGO BURGARELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.